Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Novos concursos para prospeção de petróleo e gás não são prioritários

  • 333

O Governo não vai avançar para já com os concursos para atribuir sete licenças de prospeção de pretróleo e gás natural no Algarve e no Porto, como tinha sido anunciado em setembro pelo Executivo de Passos Coelho. Os contratos em vigor são para manter

Não faz para já parte da agenda do Governo de António Costa avançar com concursos para as sete licenças para pesquisa de petróleo e gás natural, avança o "Diário Económico" desta terça-feira, lembrando que, em setembro de 2015, José Miguel Martins, então responsável pela Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis, disse estar a preparar concursos. O Ministério da Economia, que tutela este dossiê, ainda tomou qualquer decisão sobre o assunto,

Em causa estão quatro áreas de águas poucos profundas (shallow offshore) e duas áreas de águas profundas (deep offshore) na bacia do Porto. Mas também uma área de águas profundas no Algarve.

Além de o Governo não ter o tema na agenda, a Repsol, que lidera o consórcio onde está a Partex da Fundação Gulbenkian, pediu ao Executivo para adiar o investimento de mais de 50 milhões de dólares (46,2 milhões de euros), previsto para dois projetos de prospeão de gás natural em águas ultraprofundas no Algarve, agendado para o final de 2015. O grupo espanhol, diz o "Diário Económico", optou por prolongar por mais um ano a fase de estudo, dado o cenário de descida do preço do crude.

O primeiro-ministro, António Costa, recorde-se, disse no último debate quinzenal, que é essencial o país conhecer os seus recursos naturais e e prosseguir com as operações de prospeção.