Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

É dose...

  • 333

tiago miranda

Os cupões de desconto e as promoções de produtos nos hipermercados podem fazê-lo poupar muito dinheiro, mas é preciso saber fazer contas

Pedro Andersson/SIC

Se não é você que vai às compras ao hipermercado lá em casa, pode passar à frente esta crónica. A não ser que a leia para depois a mostrar a quem ela vai de facto ser útil. A carteira dos 2 agradece.

Se não liga a cupões, talões e SMS dos hipermercados saiba que está a perder muito dinheiro. É certo que não perde muito de cada vez, mas ao fim do ano é uma pequena “fortuna”, que poderia ter gasto noutras coisas que talvez lhe interessassem mais. Refiro-me à técnica de « calcular o preço por dose antes de comprar. Vou dar como exemplo os detergentes, porque se aplica a todos.

Há consumidores que ficam muito contentes quando encontram promoções de 50% nos detergentes (seja para roupa, louça ou outros). Não se deixem enganar.

Para os “smart shopers”, 50% de desconto “é para meninos”. O preço normal dos detergentes (roupa e loiça) é muitas vezes de 25, 35 ou 40 cêntimos por dose. Ou seja, a 50% fica a 12, 16 ou 20 cêntimos a dose.

Com a crise, as empresas perceberam que só conseguem vender com promoções. Portanto, não custa nada aumentar o preço do pacote seja do que for para depois lhe aplicar um desconto redondo. Como é que sabemos que não estamos a ser enganados? Calculando o preço da dose. Como já repararam, nas etiquetas todos são obrigados a dar essa informação. É muito útil na altura em que tem de optar por esta ou aquela marca.

Quem já percebeu como funcionam as acumulações, não compra a mais de 8 cêntimos a dose, e compra detergentes para 1 ano ou 2 quando consegue a 5 cêntimos por dose. É mais que possível, porque sem ser “guru” já o fiz várias vezes.

Por exemplo, em dezembro recebi em casa um cupão de um hipermercado de 25% em cartão em detergentes para máquina de lavar loiça. Bastou aguardar por uma promoção de 50% numa marca de detergentes para loiça para juntar o dito cupão. O desconto passa a 75%. Com esta acumulação simples, o preço ronda os tais 8 cêntimos/dose. Nos hipermercados que não usam desconto em cartão, por vezes são feitos descontos de 60% ou mais. Isso não quer dizer nada. Para saber se é uma promoção “real” ou não, o que conta é o preço por dose.

Mas pode ser ainda melhor. Se se registarem, por exemplo, aqui, da Proctor&Gamble (a empresa que tem as marcas de vários detergentes), de vez em quando recebem cupões (ou podem imprimir em casa) para descontar nas marcas deles. Veja se as marcas que utiliza também fazem isso nos seus sites ou no facebook. Se juntar as 3 acumulações: JACKPOT! Consegue os tais 5 cêntimos/dose. Mas este passo já é para especialistas em acumulações, que já são um grupo bastante representativo em Portugal e praticamente desconhecido.

Em resumo, se se quiser dar ao trabalho de fazer contas pode poupar bastante quando encontra estas oportunidades. Conheço pessoas que passado um ano e meio ainda estão a consumir detergentes que compraram quase de “graça”. E, como sabe, sem descontos são caríssimos.

Como o sabão azul e branco não deve voltar tão cedo, a sua escolha é simples: ou paga o que lhe pedem sem pensar, ou compra só quando lhe interessar e ao preço que estiver disposto a pagar. A dica desta semana é, portanto, fazer as contas por dose.

E já fica com o preço certo que deve procurar. Detergentes: nunca mais de 8 cêntimos/dose. E quando encontrar a 5 cêntimos/dose (com acumulações) compre para um ano. Não se estragam. Fixaram?