Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

México acolheu seis grandes investimentos portugueses no sector automóvel

  • 333

A proteção recíproca dos investimentos do México e de Portugal proporcionou a expansão para o mercado mexicano do sector automóvel dos grupos portugueses Sodecia, Coindu, GLN, Controlar, Ricardo & Barbosa e Yap

Seis grandes empresas portuguesas fornecedoras de componentes para a indústria automóvel efetuaram investimentos no México - que é o quarto maior exportador mundial de automóveis -, respondendo ao "clima favorável de investimentos recíprocos que tem havido entre as autoridades mexicanas e portuguesas", comentou ao Expresso uma fonte do sector automóvel mexicano.

No final de 2014, as exportações portuguesas de componentes automóveis já ultrapassavam os 39 milhões de euros, segundo dados da Associação de Fabricantes da Indústria Automóvei (AFIA) mas em 2015 a importância da atividade das empresas portuguesas do sector aumentou pelos investimentos diretos concretizados no mercado do México.

Um dos maiores investimentos foi realizado pela Sodecia, numa fábrica em Ramos Arzpe, no Estado de Coahuila, que produz componentes para as carroçarias e chassis. Trata-se de um investimento no Parque Industrial de Santa María, onde a Sodevia contruiu uma nave industrial de grandes dimensões (92.825 pés quadrados). A Sodecia produz componentes sobretudo para as marcas General Motors, Chrysler, Daimler, Fiat, Honda, Mitsubishi, Renault Nissan e VW.

No Estado de Tlaxcala de Xīcohténcatl foi concretizado o investimento da Coindu, que produz assentos de diversos tipos, sendo especializada em acabamentos em pele. A unidade mexicana da Coindu, localizada em Piedras Negras, beneficia da tecnologia desenvolvida para produzir componentes para os automóveis da BMW - da série 3 à série 7 - e ainda para um modelo da Audi, o Q7.

A Coindu emprega 2000 trabalhadores, especializados no fabrico de assentos em couro natural e tecido, mas também produzem componentes em PVC, acessórios interiores. Em Portugal tem duas unidades fabris em Famalicão, que fornecem equipamentos para cerca de 2500 carros por dia, o que torna a unidade do México importante na sua produção total, atendendo ao gigantismo do mercado mexicano.

A empresa de moldes GLN, do grupo Gestmin, liderado por Manuel Champalimaud, investiu cerca 10 milhões de euros na aquisição de 50% de uma fábrica de injeção de plástico para o sector automóvel do grupo mexicano RW. Este investimento permitiu que a GLN comercialize moldes produzidos em Portugal.

A Controlar, da área da eletrónica para o sector automóvel, está a desenvolver um centro de armazenamento de componentes exportados. Esta projeto surgiu no âmbito da missão ao México organizada pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Mexicana (CCILM), através do projecto Portugal Connect. A decisão da Controlar surgiu na sequência das visitas efetuadas a clientes na região de Guadalajara e a parceiros em várias cidades do México.

Na área do fabrico de peças e ferramentas mecânicas de precisão está a Ricardo & Barbosa, que investiu numa unidade fabril na Cidade de Juárez, no Estado de Chihuahua, um dos mais industrializados do México, onde estão algumas das maiores fábricas de automóveis do país.

Finalmente, o grupo portuense YAP, estabeleceu uma parceria (de controlo conjunto 50%/50%) com o conglomerado mexicano Autopcion e fabrica auto-rádios em San Juan del Rio, no Estado de Querétaro, onde factura cerca de 35 milhões de euros.

Curiosamente, a mesma fonte recorda que o novo responsável pela fábrica da Autoeuropa dirigia a produção e logística de um dos maiores fabricantes automóveis do México, que é o Grupo Volkswagen. Trata-se de Miguel Sanches, que ainda se encontra em funções no México e deverá assumir o cargo de diretor-geral da Volskwagen Autoeuropa no primeiro trimestre.

Miguel Sanches, que ainda é vice-presidente de produção e logística da Volkswagen no México, tem 47 anos, e é responsável pelas fábricas de Puebla e Silão.

Também no Verão de 2014, a BMW tinha nomeado para dirigir a sua sucursal do México, o então responsável pelo BMW Group Portugal, Helder Boavida.