Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Ex-presidente do Banif diz que anterior Governo “podia ter feito bastante mais”

  • 333

Nuno Fox

Na entrevista ao programa Negócios da Semana, da SIC Notícias, Jorge Tomé assegurou que as contas do banco estavam "direitinhas e limpinhas", e que eram regularmente auditadas pelo Banco de Portugal. O ex-presidente do Banif disse também que a venda do banco foi "desastrosa" e defendeu uma investigação criminal ao caso

Helena Bento

Jornalista

Em entrevista à SIC Notícias, esta quarta-feira, o antigo presidente do Banif, Jorge Tomé, disse que o anterior Governo podia ter feito "bastante mais" em relação ao banco, visto que desde o início do ano se sabia que havia um défice de capital. "Acho que [em Março] se perdeu uma oportunidade para vender o banco. A ministra das Finanças [Maria Luís Albuquerque] deu-nos toda a recetividade para receber propostas não solicitadas, mas não nos deu a oportunidade de abrir um concurso estruturado de venda porque a seguir meteu-se o calendário político, eleições e mudanças de Governo". O dossier ficou, portanto, em "stand-by, à espera que entrasse o novo Governo e resolvesse isto", explicou o ex-presidente do banco.

Na entrevista ao programa Negócios da Semana, Jorge Tomé assegurou que as contas do banco estavam “direitinhas e limpinhas” e que eram “regularmente auditadas pelo Banco de Portugal, que fazia um vigilância diária apertadíssima do crédito, operações financeiras e operações de avaliação de ativos”.

O antigo presidente do Banif classificou a solução encontrada para o banco como "desastrosa" - tanto para os trabalhadores como para os investidores e contribuintes - e disse que nunca foi informado sobre toda a operação levada a cabo pelo Banco de Portugal. Na sua opinião, devia fazer-se uma auditoria ao processo de venda do banco ao Santander Totta comparando as várias alternativas que existiam.

Jorge Tomé sublinhou ainda que a transferência de ativos para a Naviget - de acordo com a solução encontrada pelo atual Governo e pelo Banco de Portugal para a instituição - vai acabar por ser vantajosa. "O efeito desta solução de passar ativos do antigo Banif para este veículo chamado Naviget ao preço a que estes ativos passaram, obviamente que num processo de venda estes ativos vão gerar mais-valias. Gerando mais-valias, como esse ativo pertence ao fundo de resolução, é óbvio que o fundo de resolução vai ser capitalizado por essa via", afirmou.