Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Europa abre "mista". Lisboa no vermelho

  • 333

Amesterdão e Paris no vermelho, Londres e Madrid com ganhos. Índice PSI 20, da bolsa de Lisboa, em terreno negativo. Frankfurt, Milão e Zurique estão fechadas

Jorge Nascimento Rodrigues

As bolsas europeias estão a meio gás esta quinta-feira. Frankfurt, Milão e Zurique estão encerradas em virtude de feriado e Madrid e Paris só funcionarão meio-dia. Amanhã, as bolsas europeias estarão fechadas pelo feriado natalício.

Madrid abriu quinta-feira em terreno positivo, continuando a recuperação da quebra de 3,6% na segunda-feira passada, aquando do primeiro impacto dos resultados eleitorais de domingo. Londres também regista ganhos. No vermelho, abriram as bolsas de Amesterdão e Paris. Em Lisboa, o PSI 20 recua mais de 0,5%, com a Pharol a cair mais de 3%.

O preço do barril de petróleo continua a subir em relação aos mínimos de sete anos registados a 22 de dezembro. Abriu a sessão europeia com o preço do Brent a subir para 37,72 dólares, mais barato do que o barril norte-americano que cotava 37,77 dólares.

Os analistas esperam que a trajetória do preço do crude se tenha invertido a 22 de dezembro e que a subida do preço se consolide. No entanto, Tom Whipple, editor da Peak Oil Review, avisa: "não se vê fundamento para tanto otimismo com a inversão de quarta-feira, que se deveu largamente a razões técnicas e não foi motivada por dados fundamentais" deste mercado. E acrescenta: “A Goldman Sachs reiterou a sua previsão do preço do petróleo descer até 20 dólares o barril e alguns especuladores estão a adquirir opções que não podem ser exercidas a não ser que o preço caia para 15 dólares. O próprio Fundo Monetário Internacional, agora, já prevê que o petróleo desça para um intervalo entre 20 e 30 dólares depois do Irão começar a aumentar as exportações, de novo”.

A região asiática fechou "mista" com Tóquio e Xangai em terreno negativo, mas Hong Kong a registar subida.

Os futuros em Wall Street estão negativos. As bolsas de Nova Iorque apenas funcionarão durante a sessão da manhã.

BCE pressiona PSOE

A atenção continua focada em Espanha onde a formação de novo governo continua sem um sentido definido. Os meios financeiros continuam a apostar na continuidade do governo do Partido Popular a partir de janeiro, apesar do "não" do líder do PSOE a deixar passar novo governo de Mariano Rajoy.

O jornal "El confidencial", citando fontes europeias, refere esta quinta-feira que o Banco Central Europeu (BCE) tem estado a pressionar o que designa por velha guarda do PSOE para que este partido não inicie negociações com o Podemos e outras formações de esquerda e independentistas no sentido da formação de uma alternativa à continuidade do PP no executivo. O momento decisivo para a posição do PSOE realiza-se na próxima segunda-feira, com a reunião do seu Comité Federal. "O BCE não quer defrontar-de com uma nova Grécia", segundo as fontes ouvidas pelo "El Confidencial".

  • Os mercados bolsistas da Ásia Pacífico encerraram “mistos”. Hong Kong e Sidney, com sessões de meio-dia, registaram ganhos, mas Tóquio, Xangai e Shenzhen ficaram em terreno negativo. Regulador das seguradoras na China vai ser mais exigente com o sector e o governador do Banco do Japão “copia” frase emblemática de Draghi