Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Lesados do BES levam queixas a Bruxelas

  • 333

Campiso Rocha

A Associação de Lesados de Papel Comercial do Grupo Espírito Santos entrega esta quinta-feira aos responsáveis da Direção-Geral de Serviços Financeiros da Comissão Europeia documentos que, na sua opinião, comprovam “formas de venda agressiva/fraudulenta do produto papel comercial por parte do BES”

A Associação de Lesados de Papel Comercial do GES reúne-se esta quinta-feira em Bruxelas com a Direção-Geral de Serviços Financeiros da Comissão Europeia, para "discutir e expor" as consequências da medida de resolução e a atuação do Banco de Portugal.

De acordo com os lesados do papel comercial do Grupo Espírito Santo (GES), este encontro com a Direção-Geral para a Estabilidade Financeira, Serviços Financeiros e Mercado de Capitais (DG FISMA) "servirá para discutir e expor não só a gravidade e consequências da medida de resolução para os lesados do papel comercial, mas também toda a atuação tendenciosa do Banco de Portugal relativamente a este processo".

A associação irá entregar aos responsáveis da DG FISMA documentos que, na sua opinião, comprovam "formas de venda agressiva/fraudulenta do produto papel comercial por parte do BES", incluindo, entre outros, a carta do Banco de Portugal "para a ministra das Finanças[Maria Luís Albuquerque], onde aquele expõe o conhecimento da falência das empresas do GES, tendo permitido, no entanto, a venda do papel comercial destas empresas, comprometendo com isso o seu dever de fiscalização e proteção".

O advogado que representa a Associação de Lesados de Papel Comercial (AIEPC), vendido aos balcões do BES, interpôs no verão uma providência cautelar contra o Banco de Portugal e o Fundo de Resolução, na qual os clientes exigem que o banco central informe um eventual comprador do Novo Banco do montante de papel comercial devido aos cerca de 2500 subscritores, que ronda os 530 milhões de euros, ou seja, que inclua esse montante como uma imparidade nas contas da instituição financeira.

Em setembro, terminou sem acordo o período de negociação com o potencial comprador do Novo Banco, esperando-se agora a abertura de um novo processo de venda nos próximos meses.