Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Bolsas da Ásia fecham no vermelho. Import-Export da China continua em queda

  • 333

A bolsa de Xangai liderou esta terça-feira as quedas na região. Japão escapou a uma recessão no terceiro trimestre, mas comércio internacional chinês em novembro continua a revelar o abrandamento da segunda maior economia do mundo

Jorge Nascimento Rodrigues

Depois de um início da semana com ganhos ligeiros, as bolsas da Ásia Pacífico fecharam esta terça-feira com perdas em todos os países da região. O índice composto de Xangai liderou as quedas, com um recuo de 1,89%. Xangai é a terceira maior bolsa do mundo em capitalização, depois de Wall Street e Tóquio.

O choque do dia na Ásia foi protagonizado pela divulgação dos dados do comércio internacional da segunda maior economia do mundo em novembro.

As importações da China caíram pelo 13º mês consecutivo em novembro, com um recuo de 8,7% em termos homólogos. Ainda assim abaixo das estimativas dos economistas que apontavam para um recuo de 12,6% e inferior à quebra de outubro que se cifrou em 18,8%. Registou-se uma desaceleração nítida na queda das importações.

As exportações chinesas caíram pelo 5º mês consecutivo, com uma quebra de 6,8% em termos homólogos, ligeiramente inferior à registada em outubro (-6,9%), mas muito superior à estimada pelos analistas que apontava para uma queda de 5%.

Estes dados do Import-Export continuam a recordar aos investidores internacionais que o abrandamento da China continua.O excedente da balança comercial desceu de 61,6 mil milhões de dólares em outubro para 54,1 mil milhões em novembro, quando as estimativas apontavam para um aumento para 64,15 mil milhões.

As economias da região são muito sensíveis ao “fator China”. A maré vermelha dominou as bolsas da região, que não se animaram com a boa notícia vindo do Japão, que evitou a recessão no terceiro trimestre do ano. A economia nipónica acabou por crescer 0,3% em cadeia (de um trimestre para o seguinte), face a uma estimativa preliminar de quebra.

Em Tóquio, a segunda mais importante bolsa do planeta, os índices Nikkei 225 e TOPIX recuaram 1,04%. Na China, o índice composto de Xangai caiu 1,89% e o índice similar para Shenzhen recuou 1,78%. O índice A50 perdeu 1,32% e o CSI 300 (das trezentas principais cotadas nas duas bolsas chinesas) caiu 1,75%.

Sidney fechou com o índice ASX 200 a perder 0,91%, Seul registou uma queda de 0,75% do índice KOSPI, Taipé viu o índice de Taiwan recuar 1,31%. O índice Hang Seng, de Hong Kong, o que fechou mais tarde nesta sessão asiática, perdeu mais de 1,3%.

Nos mercados de matérias-primas, o preço do barril de Brent fechou a sessão asiática a subir para 40,95 dólares, depois de na segunda-feira ter atingido mínimos desde fevereiro de 2009. O índice da Bloomberg para as commodities caiu 0,02%.