Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

CGD propõe vender 49% das operações no exterior a privados

  • 333

A gestão da Caixa Geral de Depósitos propôs ao anterior Governo criar uma empresa que reúna as principais operações do banco público no exterior e vender até 49% do seu capital a investidores privados

A equipa de gestão da Caixa Geral de Depósitos, liderada por José de Matos, propôs ao Governo de Pedro Passos Coelho um plano para criação de uma "holding" que reúna as principais operações do banco do Estado no exterior, noticiou hoje o Jornal de Negócios. O objetivo desta reorganização é permitir reforçar a solidez do banco com a venda de até 49% do capital desta "holding" a investidores privados.

Esta seria uma forma de o Estado contornar a limitação que tem atualmente de injetar capital na Caixa. Agora cabe a António Costa decidir se aceita a proposta ou a deixa cair. E, segundo a gestão, acabaria também por reduzir a exposição da CGD aqueles mercados e libertar o capital aplicado naquelas operações.

A reorganização das operações internacionais da Caixa desenhada por José de Matos e a sua equipa previa a transferência para a "holding" das participações a em Macau (BNU), Brasil (Banco Caixa Geral), África do Sul (Mercantil Bank), Angola (Banco Caixa Geral Totta) e Moçambique (Banco Comercial e do Investimento). A Caixa controla a totalidade do capital dos primeiros três bancos, e 51% das operações em Angola e Moçambique.