Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Lisboa e Algarve lideram valorização

  • 333

Crescimento do crédito à habitação e clientes estrangeiros puxam pelos preços

Marisa Antunes

Jornalista

O valor médio de avaliação bancária na habitação aumentou pelo segundo mês consecutivo, fixando-se atualmente nos €1041 o metro quadrado (m2), segundo os números divulgados esta semana pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Ricardo Sousa, CEO da rede imobiliária Century21, lembra que “estes indicadores são consequência do aumento do crédito à habitação de forma generalizada. Recorde-se que durante a crise os bancos não financiavam o mercado exceto para os seus próprios imóveis, que eram essencialmente para os segmentos médio e médio-baixo. Isso fez baixar os valores da avaliação bancária. Agora, o regresso do crédito para as famílias da classe média provocou o aumento dos valores dessa avaliação”.

O valor de outubro de €1041 representa assim um aumento de €2/m2 face ao mês anterior (e um acréscimo de €3/m2 em relação a setembro). Comparando com o período homólogo do ano passado, verificou-se um crescimento de 2,7%.

Algarve valoriza

Uma análise dos valores médios da avaliação bancária na habitação nos últimos três anos mostra que terá sido atingido o valor mais baixo em março de 2013 com €981 por m2. A partir daí passou por pequenas oscilações até chegar agora aos €1041, um valor que só encontra paralelo em maio de 2012, mas mesmo assim muito abaixo dos valores pré-crise, como os do primeiro trimestre de 2008 quando estes atingiam os €1220/m2.

Mesmo assim, Miguel Poisson, CEO da ERA Imobiliária, diz que não há qualquer dúvida “que se entrou numa fase de dizer adeus à crise no imobiliário”. O momento, reforça, “é de crescimento”: “Regressou a confiança do mercado e o aumento muito substancial do crédito à habitação. Recordo os números divulgados pelo Banco de Portugal que mostram que só em setembro deste ano foram concedidos €376 milhões em crédito à habitação e de janeiro a setembro um acumulado superior a €2700 milhões. Estamos a falar de um crescimento de 70% quando comparado com os primeiros nove meses do ano passado”.

Mas o frenesim que hoje se verifica no mercado imobiliário é mais evidente em certas regiões. Segundo o relatório do INE divulgado esta semana, a Área Metropolitana de Lisboa, com uma variação de 4,4%, teve uma influência primordial no resultado agregado. Mas a valorização “mais intensa”, como se refere no relatório do INE, ocorreu na região do Algarve, com um aumento de €26/m2, para um valor médio de avaliação de €1296/m2.

“Os estrangeiros têm um impacto relevante na compra de casa no Algarve mas este acréscimo dos preços médios de avaliação nesta região também já reflete o regresso dos portugueses à região algarvia e ao mercado de segunda habitação”, aponta ainda Miguel Poisson.

A confiança e a vontade de adquirir casa, ainda assim, é feita com cautela, garante Ricardo Sousa, da Century. “Apesar de a banca conceder crédito até 80%, na nossa rede, notamos no perfil médio dos compradores que estes querem alavancar crédito mas com segurança e por isso preferem um endividamento num máximo de 60%. O restante é com financiamento próprio”.