Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Bolsas europeias abrem no vermelho. Juros da dívida continuam em queda

  • 333

Depois da maré vermelha na Ásia, provocada pela derrocada nas bolsas chinesas, a Europa abre esta sexta-feira no vermelho com Londres e Paris a liderarem as quedas. O PSI 20 abriu a perder. Juros da dívida de Portugal continuam em trajetória de descida em linha com periféricos do euro

Jorge Nascimento Rodrigues

A maré vermelha asiática está a contagiar a abertura das bolsas na Europa. A derrocada nas bolsas de Xangai e de Shenzhen está a marcar o dia. Na Europa, as principais bolsas abriram a registar perdas, com Londres e Paris a liderarem. O índice PSI 20 da Bolsa de Lisboa abriu a cair ligeiramente 0,09% e a tendência ainda não está definida. O índice Eurostoxx 50 – das 50 principais cotadas na zona euro – registava perdas de 0,5% no início da sessão.

Na quinta-feira, a Europa fechou com ganhos de 1,1%, liderando as subidas à escala mundial nos índices MSCI regionais. As bolsas mundiais ganharam 0,34%, mas sem contar com as bolsas dos Estados Unidos que estiveram encerradas.

Os futuros em Wall Street estão, também, em terreno negativo na abertura desta sexta-feira na Europa. A sessão desta Black Friday nos EUA será limitada, encerrando pelas 13h30 (hora de Nova Iorque), depois do feriado de Ação de Graças de quinta-feira.

No mercado secundário da dívida soberana da zona euro prossegue a trajetória descendente das yields das obrigações a 10 anos dos periféricos, com destaque para a descida das yields das Obrigações do Tesouro português (OT) que abriram a cair para 2,31%, já abaixo do nível registado a 2 de outubro, antes das eleições legislativas em Portugal.

O índice Bloomberg para as matérias-primas continua a registar uma queda depois do fecho da sessão asiática. Perde 0,58%.

  • As bolsas chinesas regressaram esta sexta-feira a perdas acima de 5%, o que já não ocorria desde o final de agosto. As derrocadas bolsistas de junho, julho e agosto ainda estão frescas na memória. O “fator China” volta a estar em destaque e pode marcar o dia nas bolsas mundiais