Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Presidente do BCP espera que o próximo Governo mantenha uma “certa estabilidade de regimes fiscais em Portugal”

  • 333

Nuno Amado, presidente do Millennium BCP

José Carlos Carvalho

Depois de uma audiência com o presidente da República, Nuno Amado apelou à estabilidade e manutenção dos compromissos europeus por parte do governo que Cavaco Silva decidir indigitar

O presidente do BCP, Nuno Amado, foi o primeiro de sete banqueiros a reunir-se esta quarta-feira com Cavaco Silva, depois de se terem encontrado na segunda-feira com o líder do PS, António Costa, e Mário Centeno, coordenador do programa económico dos socialistas, como noticiou o Expresso.

Á saída da reunião em Belém, Nuno Amado disse à Lusa que "está confiante" de que "um futuro governo" irá ser sensível à necessidade de estabilidade que o país precisa para manter a confiança e o investimento. Afirmou ainda que "o essencial é cumprir os compromissos mais importantes que o país tem a nível europeu", e que nesse sentido "o papel do Orçamento (do Estado) é de charneira". Diz que confia que o futuro governo terá em conta a manutenção de "uma certa estabilidade de enquadramento e de regimes fiscais em Portugal para que a confiança e o investimento possam continuar". Mais não disse.

Terça-feira, o Expresso Diário referiu que, independentemente dos temas a abordar com o presidente, que passariam obrigatoriamente pelo atual momento do sector e a sensibilidade do futuro governo às políticas económicas e financeiras, os banqueiros apelariam à estabilidade e, por isso, a "um governo na sua plenitude de funções e não a um governo de gestão".

Esta quarta-feira, reuniu-se também com Cavaco Silva o presidente do Novo Banco, Eduardo Stock da Cunha, o presidente do BPI, Fernando Ulrich, a que se seguirá o presidente do Santander Totta, António Vieira Monteiro.

Da parte da tarde é a vez de José Matos, da CGD, e de Félix Morgado, presidente do Montepio. O presidente da Associação Portuguesa de Bancos, Fernando Faria de Oliveira, será o último a falar com Cavaco Silva.