Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Boas notícias. DBRS mantém rating de Portugal acima de “lixo”

  • 333

A agência de notação de risco canadiana manteve a classificação de rating de investimento a Portugal, bem como a tendência estável para as perspetivas do país

A agência de de notação de risco DBRS confirmou na tarde desta sexta-feira o rating de Portugal em BBB (low), ou seja, manteve a dívida portuguesa num patamar de classificação de investimento. Mais ainda, a agência canadiana manteve inalteradas as perspetivas sobre a evolução do rating da República Portugal, com uma classificação de estável.

A analista principal para Portugal da DBRS disse ao Expresso que a garantia de Mário Centeno de que o Partido Socialista vai manter o compromisso com a política económica europeia foi crucial para a confirmação do rating.

"Falámos com Mário Centeno do Partido Socialista na semana passada. Ele garantiu o compromisso com a União Europeia e a política económica europeia", afirmou Adriana Alvarado. "Claro que foi (crucial para a confirmação do rating) o compromisso político" que foi garantido, adiantou.

Disse que, para o futuro, "há a possibilidade de eleições antecipadas devido às diferenças entre o Partido Socialista e os outros partidos do acordo". E que a DBRS vai "continuar a acompanhar a situação em Portugal e como o ajustamento orçamental vai ser mantido".

Na nota emitida esta tarde, a agência explica que "a confirmação do rating reflete a avaliação da DBRS da melhoria do perfil creditício de Portugal nos úlltimos anos, na sequência do progresso substancial na redução dos desquilíbrios externo e orçamental".

"Melhorias no perfil de pagamento da dívida bem como o compromisso ao nível da zona euro para assegurar a estabilidade financeira na região fornecem suporte adicional ao rating", lê-se no documento.

São boas notícias estas, porque permitem que Portugal continue a ter acesso ao programa de compra de dívida do Banco Central Europeu e que os bancos possam continuar a aceder às linhas de financiamento de baixo custo do BCE entregando como colateral dívida pública portuguesa.

A DBRS é a única entre as quatro agências utilizadas pelo BCE para definir quais os ativos que são ou não aceites como colateral que mantém um rating de investimento a Portugal.

As três restantes, a Moody's, a Standard & Poor's e a Fitch, classificam Portugal ao nível de 'lixo'. Portanto, caso a DBRS baixasse o rating do país, a dívida portuguesa perdia a elegibilidade junto do BCE.

Os alertas da DBRS

Contudo, a DBRS avisa que "Portugal enfrenta desafios significativos, nomeadamente os elevados níveis de dívida do setor público, pressões orçamentais em curso, baixo crescimento potencial e elevado endividamento do setor empresarial".

Mais ainda, "a incerteza política aumentou na sequência dos resultados inconclusivos das eleições de outubro". No entanto, a DBRS "não espera nesta altura um regresso a grandes desequilíbrios orçamentais e acredita que os riscos permanecem em grande medida equilibrados".

Mas "o rating de Portugal pode ficar sob presão para uma revisão em baixa se houver um enfraquecimento do compromisso político com políticas económicas sustentáveis", avisa a DBRS. Também um crescimento abaixo do esperado, levando a uma deterioração da dinâmica na dívida pública, terá o memso efeito, bem como "se ocorrer uma reversão das reformas estruturais ou se a incerteza política persistir", acrescenta a agência na nota hoje divulgada.