Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

TAP sem dinheiro para pagar salários já este mês

  • 333

DAVID CLIFFORD

A TAP não tem tesouraria para pagar salários já este mês de novembro, estando em risco o pagamento de contratos de combustível. Com privatização, entram 150 milhões imediatamente na empresa. Sem privatização, terão de entrar na mesma. Nem que seja o Tesouro a emprestar, mesmo que isso levante problemas com Bruxelas

A situação da tesouraria da TAP é de rutura. O Expresso sabe que não há neste momento dinheiro "em caixa" para pagar nem salários nem combustíveis já este mês de novembro. A partir de dia 18, a empresa entra em dificuldades, confirmou o Expresso junto de fontes próximas da empresa.

Os pagamentos de outubro já foram feitos recorrendo a soluções de recurso. Isto acontece num ano de forte agravamento de prejuízos e numa altura em que a privatização está perto de ser concluída, embora possa vir a ser contestada pelos partidos de esquerda. Seja como for, fontes da empresa confirmam que tem de entrar dinheiro rapidamente. Ou privado, ou público, ou da banca - mas dinheiro já.

A assinatura do contrato para fechar a privatização de 61% do capital da empresa está agendado para a tarde desta quinta feira. Nas horas seguintes (com o limite de cinco dias depois), entrarão 150 milhões de euros na empresa, que serão injetados pelo novo accionista privado, liderado pelos empresários David Neeleman e Humberto Pedrosa. Se a operação for anulada ou revertida, esse dinheiro terá de ser devolvido ao consórcio. Mas terá de entrar na empresa, para suprir pagamentos imediatos.

Para a operação da empresa, tão importante como o pagamento de salários é o cumprimento dos contratos com as petrolíferas. Se os pagamentos falharem, a empresa arrisca-se a deixar de poder voar, o que paralisa a empresa.

Esta urgência não significa que não há alternativa à privatização, mas significa que o Estado tem de entrar no processo de encontrar essa alternativa. Não é a primeira vez que a TAP entra em iminência de rutura de tesouraria. No final de 2012, a empresa ficou sem dinheiro e foi o próprio Tesouro a financiar a transportadora aérea em cerca de cem milhões de euros. A Comissão Europeia contestou essa decisão, por entendê-la como uma possível ajuda de Estado, que só pode ser realizada sob aprovação da Direção Geral de Concorrência de Bruxelas. O financiamento do Estado foi nessa altura substituído por dívida bancária.

Neste momento, a dívida bancária da TAP ultrapassa os 600 milhões de euros, estando vários contratos de financiamento a terminar. Somando as demais dívidas (como os contratos de leasing de aviões), o passivo total é próximo do dobro.