Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Desinflação na China provoca maré vermelha nas bolsas do Oriente

  • 333

A região caminha para registar perdas de 0,6% esta terça-feira depois das principais bolsas da Ásia Pacífico fecharem ou estarem a negociar com os índices em terreno negativo. Escapou o índice Nikkei 225 da bolsa de Tóquio. Descida da inflação na China em outubro agitou os investidores

Jorge Nascimento Rodrigues

O índice MSCI para a região da Ásia Pacífico poderá fechar esta terça-feira a perder 0,6%, depois de ter ficado sobre a linha de água no dia anterior, registando um ganho ligeiro de 0,03%.

Ainda não fecharam as bolsas de Hong Kong e de Mumbai, que negoceiam em terreno negativo, com o índice Hang Seng a liderar as perdas na região.

Se, na segunda-feira, as bolsas da China e Tóquio puxaram pela região, hoje, só o índice Nikkei 225 encerrou em terreno positivo, com ganhos de 0,15%. A bolsa de Xangai fechou com o índice composto a cair 0,18% e os índices CSI 300 e A50 concluíram a sessão perdendo 0,19% e 0,51% respetivamente. O índice ASX 200, em Sidney, perdeu 0,4%, o KOSPI em Seul recuou 1,44% e o índice de Taiwan baixou 1,22%.

Os analistas falam de uma dado que abalou os investidores na região. O processo de desinflação (redução continuada da taxa de inflação) na China acentuou-se desde o verão. A inflação em outubro, divulgada esta terça-feira, desceu para 1,3%, abaixo das expetativas dos analistas, e face a 1,6% em setembro e 2% em agosto. O índice relativo à variação dos preços no produtor (IPP), que também foi divulgado hoje, continuou a sua trajetória deflacionista. Há 44 meses que está em terreno negativo. Em outubro, o IPP caiu 5,9%, a mesma amplitude de queda que em setembro.

Estes novos dados de um clima de desinflação e deflação na economia chinesa sucedem-se à divulgação no fim de semana das quebras na exportação e na importação em outubro, superiores às previsões. Recorde-se que a meta de inflação da politica monetária do Banco Popular da China, o banco central, é 4% (o dobro da fixada pelos bancos centrais das principais economias desenvolvidas).