Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Ásia fecha com forte subida em Xangai e Tóquio. Frankfurt permanece no vermelho

  • 333

Os mercados bolsistas de Shenzhen e Xangai lideraram as subidas esta quarta-feira. Tóquio reabriu, depois de um feriado, com ganhos influenciados pela entrada em bolsa do grupo público dos Correios. Europa está em terreno positivo, mas o índice alemão regista perdas

As bolsas da Ásia e Pacífico beneficiaram esta quarta-feira de um duplo incentivo. Tóquio reabriu depois de um feriado com a animação motivada pela entrada em bolsa do grupo público dos Correios e as bolsas chinesas de Xangai e Shenzhen beneficiaram de uma especulação de que a ligação entre as bolsas de Xangai e Shenzhen será concretizada até final do ano, mesmo depois de as autoridades terem arrefecido o rumor.

Resta saber, no resto da semana, se esta animação foi pontual, fruto das duas novidades desta quarta-feira, ou se a trajetória se mantém. O índice global MSCI para a região registou uma queda de 1,12% na segunda-feira e um ganho de 0,45% na terça-feira. Hoje, o ganho foi de 0,91%.

Desanuviamento na Ásia

No conjunto, a Ásia beneficia ainda do desanuviamento geopolítico entre os seus principais protagonistas com a sexta cimeira trilateral entre a China, Japão e Coreia do Sul, realizada no domingo, e com o anúncio que os presidentes da China e de Taiwan se encontrarão em Singapura no próximo sábado, o que acontecerá, pela primeira vez, desde 1949. Em contraste, os conflitos verbais com os Estados Unidos atingiram um ponto elevado desde a semana passada em torno do Mar do Sul da China.

As bolsas chinesas lideraram as subidas. O índice composto de Shenzhen subiu 5,12%, o composto de Xangai registou ganhos de 4,31%, o índice A50 avançou 4,51% e o CSI 300, das trezentas principais cotadas nas duas bolsas, fechou a ganhar 4,7%. A China entrou, também, no “novo normal”, na nova estratégia oficial de crescimento para o quinquénio de 2016 e 2020, depois do presidente chinês Xi Jinping ter confirmado publicamente na terça-feira que a nova meta oficial é de 6,5% ao ano até 2020, ano em que a já considerada maior economia do mundo (segundo as estatísticas do Fundo Monetário Internacional) pretende duplicar o seu PIB e o seu rendimento per capita em relação aos valores registados em 2010.

Em Tóquio, o índice Nikkei 225 subiu 1,3% e o TOPIX registou ganhos de 0,88%. No conjunto da Ásia, apenas a Bolsa de Mumbai fechou em terreno negativo, com perdas ligeiras de 0,14%.

Frankfurt mantem-se com perdas

A Europa registou na terça-feira uma perda de 0,29%, segundo o índice MSCI para a região (que abrange 442 cotadas em 15 países da União Europeia), com bolsas como Milão e Zurique a fecharem no vermelho.

A abertura esta quarta-feira está em terreno positivo, com as bolsas de Amesterdão, Madrid e Londres a registar ganhos acima de 1% pelas 11h (hora de Portugal). Mas o índice Dax da bolsa de Frankfurt regista perdas ligeiras de 0,13%, influenciado pela segundo escândalo da Volskwagen. O índice PSI 20 da Bolsa de Lisboa negoceia com ganhos ligeiramente abaixo de 1%.