Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Web Summit. “Escolhemos Lisboa porque tem algo de especial”

  • 333

Corbis

Paddy Cosgrave, fundador da Web Summit explica, em entrevista exclusiva à revista EXAME de novembro, como em apenas cinco anos criou o maior evento da Europa de tecnologia e empreendedorismo, que se realizará nos próximos três anos em Lisboa. Proporcionar uma boa experiência aos participantes através do uso intensivo de ferramentas tecnológicas é um dos segredos do sucesso revelado por Cosgrave

Lisboa prepara-se para ser a Meca mundial da tecnologia e do empreendedorismo em novembro de 2016, quando receber perto de 30 mil visitantes da Web Summit. Paddy Cosgrave tem 31 anos, é o fundador do megaevento que nasceu em Dublin e deu uma entrevista exclusiva à EXAME.

Na conversa revela o fascínio que sente por Lisboa e explica como é que conseguiu, em apenas cinco anos, crescer de uma conferência local com 400 pessoas e tornar-se no maior evento do género a nível mundial, com réplicas nos Estados Unidos e na Ásia. O sucesso, adianta Cosgrave, tem por base o uso intensivo de tecnologia para que “cada pessoa tenha uma experiência completamente personalizada” e passe a palavra a outros.

Sobre a escolha de Lisboa refere que foram estudadas “várias cidades na Europa” e que a opção por Lisboa se deveu ao facto da capital portuguesa ter “algo de especial, além de ter infraestruturas excelentes.” Para a decisão também contribuíram vários acontecimentos: “a vencedora da competição das start-ups do Web Summit de 2014 é portuguesa, a Codacy. E também já recrutámos um português de Lisboa. O meu irmão, que tem vivido em Berlim nos últimos três anos, mudou-se para Lisboa há poucas semanas e transmitiu-me que a vossa cidade tem coisas fantásticas e que será uma nova Berlim (em termos de ambiente favorável para as start-ups)”.

Cosgrave indica ainda que Lisboa beneficiou do facto de ter sido desencadeada “uma enorme campanha nas redes sociais (Twitter e Facebook)”, num movimento que “cresceu de uma forma monstruosa e tornou-se imparável”.

[Leia mais na edição de novembro da EXAME, já nas bancas]