Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Bolsas da Ásia fecham “mistas”. Europa com maré vermelha, mas Lisboa escapa

  • 333

No dia seguinte à Fed norte-americana ter deixado em aberto uma eventual subida dos juros em dezembro, os índices bolsistas chineses e o Nikkei nipónico fecharam em terreno positivo, mas as restantes bolsas asiáticas caíram. Na Europa, a abertura foi “mista”, mas agora as principais bolsas estão no vermelho. O PSI 20 resiste registando ganhos

Jorge Nascimento Rodrigues

Está a ser “mista” a reação à decisão da Reserva Federal norte-americana (Fed) em deixar em aberto a possibilidade de iniciar a subida das taxas de juro na sua reunião de dezembro. Wall Street, na quarta-feira, fechou com ganhos superiores a 1%, depois de duas sessões consecutivas de perdas ligeiras, mas, esta quinta-feira, a maré vermelha quase dominou a Ásia e está a dominar as principais praças financeiras da União Europeia.

As bolsas na Ásia Pacífico fecharam “mistas” esta quinta-feira, depois de dois dias consecutivos com perdas. Em dois importantes mercados financeiros, na China e no Japão, registaram-se esta quinta-feira índices com ganhos ligeiros, mas as restantes bolsas da região fecharam em terreno negativo.

O índice Nikkei 225 fechou a ganhar 0,17%, mas o Topix, outro índice da bolsa de Tóquio, encerrou a perder -0,41%. Na China, o índice composto de Xangai fechou a ganhar 0,36% e o índice CSI 300 – das 300 principais cotadas nas bolsas de Xangai e de Shenzhen – subiu 0,24%. Mas o índice China A 50 perdeu -0,02%.

Sidney liderou as descidas com o índice australiano ASX 200 a perder -1,28%, seguida de Taipé, onde o índice bolsista caiu -1,1%. As bolsas de Seul, Hong Kong e Mumbai fecharam em terreno negativo.

A Europa abriu esta quinta-feira “mista” nas principais praças financeiras da União Europeia, mas, pelas 10h (hora de Portugal), a maré vermelha abrangia Amesterdão, Frankfurt, Londres, Madrid, Milão e Paris, com o índice MIB italiano a liderar com uma quebra de mais de 1%. Escapam algumas praças da União Europeia, entre elas Lisboa, que liderava os ganhos com o índice PSI 20 a subir mais de 1%. O índice Eurostoxx 50, das principais cotadas da zona euro, descia 0,56%. Na quarta-feira, ainda antes do conhecimento da decisão da Fed, a região fechou com um ganho de 1,22%, segundo o índice MSCI, depois de dois dias consecutivos de perdas.

Na agenda de reuniões dos bancos centrais desta semana apenas falta o Banco do Japão (BoJ), cujo comité de política monetária se reúne na sexta-feira. Os analistas não antecipam nenhum reforço da política nipónica de estímulos monetários, ao contrário do que aconteceu com o Riksbank, o banco central da Suécia, na quarta-feira, que ampliou o seu programa de compra de títulos do Tesouro sueco. A pressão sobre o BoJ desceu, segundo os analistas, com a divulgação esta quinta-feira de que a produção industrial nipónica subiu 1% em setembro, muito acima das expetativas dos analistas que apontavam para uma quebra de -0,5%.