Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

À espera de sinais da Fed, Wall Street abre com ganhos e bolsas da Europa estão em alta

  • 333

As bolsas norte-americanas abriram em terreno positivo no dia de conclusão da reunião da Reserva Federal. Na Europa, depois de uma abertura "mista", os índices bolsistas estão a subir, incluindo a Bolsa de Lisboa

Jorge Nascimento Rodrigues

Wall Street abriu em terreno positivo com o Dow Jones a ganhar 0,46% e o S&P 500 a subir 0,48%, índices que, nas duas sessões anteriores desta semana, fecharam com perdas. O Nasdaq, índice da bolsa das tecnológicas na Times Square, abriu também em terreno positivo, a subir 0,26%, depois de ter perdido -0,09% na sessão de terça-feira.

As bolsas norte-americanas aguardam os resultados da reunião da Reserva Federal (Fed) que termina esta quarta-feira com um comunicado pelas 18h (hora de Portugal). Os "sinais" da declaração da Fed serão analisados ao detalhe. A probabilidade de ser anunciado esta quarta-feira o processo de início de subida dos juros pela Fed (que estão em mínimos históricos perto de 0%) é de, apenas, 4%, pelo que os analistas aguardam sinais de que esse processo arrancará, efetivamente, até final do ano, com anúncio na reunião de dezembro. Entretanto, a balança comercial de bens norte-americana melhorou em setembro, com uma diminuição do défice.

Na Europa, depois de uma abertura "mista", a quase totalidade das praças financeras da União Europeia (UE) registam ganhos, pelas 14h30, com destaque para o índice da Bolsa de Bruxelas, com uma subida acima de 1,3%. O índice PSI 20, da Bolsa de Lisboa, estava a registar um ganho de 0,82%. O índice das 50 principais cotadas da zona euro, o Eurostoxx 50, está a registar ganhos de 0,89%. As exceções à tendência positiva na UE, são as bolsas de Varsóvia e Budapeste.

No fecho da Ásia Pacífico, a maioria dos índices bolsistas registaram perdas, com destaque para a China, com o CSI 300, das 300 principais cotadas nas bolsas de Xangai e Shenzhen, a cair 1,79%. Escapou à maré vermelha, a Bolsa de Tóquio, cujos índices Nikkei 225 e Topix registaram ganhos.

  • Riksbank aumenta para 200 mil milhões de coroas suecas a meta do seu programa de compra de obrigações do Tesouro sueco até junho de 2016. Considerável incerteza mundial e onda de estímulos monetários em outros bancos centrais incentiva banco central a ser “ainda mais expansionista”. BCE estuda caso sueco

  • A Bolsa de Tóquio fechou com ganhos, mas a maré vermelha dominou o resto da Ásia com Xangai a perder 1,72% e os economistas chineses a aconselharem o Partido Comunista a baixar a meta política de crescimento anual para 6,5% até 2020. Frankfurt e Paris abrem em terreno positivo, mas Lisboa, Madrid e Londres no vermelho