Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Estudo da Deco. Bancos aconselham mal quem quer poupar para a reforma

  • 333

Associação de defesa dos consumidores recorreu a um “cliente-mistério” e consultou 50 balcões de agências bancárias. No final, considera que todos sugeriram produtos desadequados

Os bancos falham nas recomendações aos clientes que procuram soluções de poupança para a reforma, detetou a Deco através de um estudo que envolveu 50 balcões das cinco principais instituições financeiras a operar em Portugal.

O estudo, que vai ser publicado na próxima edição da revista “Proteste Investe”, recorreu a um "cliente-mistério" de 40 anos que pediu, em setembro, sugestões de produtos para aplicar 5.000 euros para a reforma juntos dos balcões da Caixa Geral de Depósitos, BPI, Millenium BCP, Novo Banco e Santander Totta, em dez cidades.

Os bancos deveriam aconselhar a subscrição de um Plano Poupança Reforma (PPR) sob a forma de fundo com componente de ações ou optar por um fundo mobiliário misto ou de ações no caso de aceitação do risco, aconselhando ainda a aplicação de uma pequena parte em liquidez como fundo de emergência.

Mas todos sugeriram produtos desadequados, segundo a associação de defesa dos consumidores.

O conselho mais comum foi um depósito normal, cujas taxas de rendimento atuais são de zero ou próximas de zero, o que leva a Deco a considerar tal recomendação "no mínimo, desastrosa", para um investidor com 40 anos.

Outro erro detetado pela Deco foi a sugestão de colocar o dinheiro em produtos financeiros complexos que podem ter ações, matérias-primas ou índices bolsistas e "exigem um bom conhecimento do perfil do cliente", de acordo com as diretivas comunitárias.

O BPI foi o banco que mais vezes recomendou os PPR sob a forma de fundo, adequados à faixa etária do "cliente mistério", mas tentou também vender um fundo que não era indicado.
A Caixa Geral de Depósitos tentou vender indiscriminadamente produtos complexos, uma prática seguida igualmente pelo Millenium BCP, que recomendou também produtos de capital garantido e baixo risco.

O Novo Banco apresentou "uma estratégia comercial bastante defensiva", propondo apenas produtos com capital garantido desadequados a uma poupança de longo prazo e o Santander Totta recomendou essencialmente depósitos em campanha, de curto prazo ou depósitos indexados para o médio prazo.

Face aos resultados, a Deco questiona se os funcionários estão mal informados sobre o tema da reforma e os produtos que estão a recomendar ou, "na pior das hipóteses têm de cumprir metas nas instituições onde trabalham", e pede mais atenção ao Banco de Portugal.