Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Dúvidas em torno do Banif atiram ações para mínimo histórico

  • 333

As ações do Banif fecharam hoje a cair 11,76% na Bolsa para um novo mínimo histórico. Dúvidas em torno do banco deram origem a onda de vendas depois de declarações de Maria Luís Albuquerque que trouxeram o Banif de novo para a agenda política. Em dois dias, o Banif perdeu 16,7% do seu valor em Bolsa.Vale 136 milhões de euros.

O Banif afundou esta terça-feira mais de 11% em Bolsa para um novo mínimo histórico, penalizado por dúvidas dos investidores após declarações de Maria Luís Albuquerque.

A ministra das Finanças emitiu um comunicado, no passado sábado, e que foi posteriormente atualizado pelo PSD, para responder a acusações do líder socialista António Costa sobre a existência de 'omissões' na situação real das contas públicas. Nesse comunicado, fazia-se referência ao Banif para dizer que na reunião de Maria Luís Albuquerque com o coordenador do cenário macroeconómico do Partido Socialista não foram "suscitadas quaisquer preocupações ou informações sobre temas que não sejam do conhecimento público, como é o caso do processo de privatização da TAP ou a investigação aprofundada sobre o Banif".

As ações do banco fecharam no mínimo de sempre (0,003 euros), a cair 11,76%. O volume negociado foi elevado, tendo trocado de mãos 327,8 milhões de ações depois de ontem o volume ter também sido superior ao habitual. A média de ações negociadas no Banif nos últimos três meses foi de 75,8 milhões.

O índice PSI-20 fechou a subir 0,39%.

"As declarações de Maria Luís Albuquerque deixaram a ideia de que poderá haver problemas adicionais no Banif e desencadearam uma forte pressão vendedora no título", afirma José Novo, operador da GoBulling.

"As quedas acontecem depois das declarações de Maria Luís Albuquerque, que reavivou receios de incumprimentos na reestruturação do banco, iniciada em 2013", diz Pedro Ricardo Santos, gestor da XTB Portugal. "A confirmarem-se irregularidades, os investidores acreditam num adiamento da saída do Estado do capital da instituição, convicção que tem levado muitos investidores a largarem as suas posições", adianta numa análise.

O banco recebeu ajudas diretas do Estado de 700 milhões de euros. O Estado detém agora 60,5%. O banco não conseguiu devolver 125 milhões de euros dos CoCos (obrigações convertíveis) o que originou uma investigação pela Direção-geral de Concorrência da Comissão Europeia no sentido de se apurar se a ajuda é compatível com as regras de auxílio estatal.

Desde o início do ano, o Banif acumula perdas de 47,4% enquanto o índice europeu Stoxx 600 para a banca subiu 2,5% e o PSI-20 ganhou 12,8%.