Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Sobressalto no PIB mundial

  • 333

Christine Lagarde, presidente do Fundo Monetário Internacional

Stephen Jaffe / Reuters

O crescimento da economia global em 2015 vai ser o mais baixo desde 2009. Portugal é a 19ª economia mais lenta do planeta até final da década

Num universo de estatísticas vasto como o World Economic Outlook (WEO) do Fundo Monetário Internacional (FMI), é fácil encontrar boas e más notícias. Depende da perspetiva e, acima de tudo, das coordenadas do globo de onde se está a olhar.

Para os venezuelanos, a economia em pior estado de acordo com as estimativas de outono divulgadas esta semana, foi um balde de água fria. O PIB da Venezuela vai cair 10% este ano e 6% no próximo, com a inflação a disparar para cima da barreira dos 200%.

Há também quem tenha razões para celebrar, como Moçambique, onde o crescimento esperado para os próximos anos é superior a 9% ao ano, apesar dos problemas políticos que existem no país.

Portugal está mais ou menos a meio caminho. Num contexto em que o FMI corta a estimativa de crescimento para o PIB mundial para 3,1% este ano — o valor mais baixo desde 2009, ou seja, desde a crise financeira — a economia portuguesa manteve-se ‘inalterada’: 1,6% este ano e 1,5% no próximo. O Banco de Portugal, por exemplo, publicou esta semana o Boletim Económico de Outono onde prevê um crescimento do PIB de 1,7% este ano.

Mas há más notícias. A primeira, e mais imediata, é que o crescimento esperado pelo FMI para os próximos anos revela uma desaceleração. Já para 1,5% no próximo ano, mas com tendência para piorar até 2020, o último ano do horizonte de projeção do Fundo, quando será de 1,2%. Ou seja, nestes seis anos, a economia deverá avançar a um ritmo médio anual de 1,34% o que não só coloca Portugal como a 19ª economia mais lenta do globo neste período, como é um valor pouco superior à média inferior a 1% conseguida na chamada década perdida que se seguiu ao arranque do euro.

Na zona euro, apenas três países apresentam piores perspetivas até 2020: Grécia (1,25%), Finlândia (1,12%) e Itália (1,06%). Destaca-se também o Brasil, a braços com sérios problemas, que deverá ter uma taxa média nestes anos inferior a 1% com dois anos consecutivos de recessão (2015 e 2016).

Leia mais na edição deste fim de semana