Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Pharol pede indemnização milionária a ex-gestores da PT

  • 333

Granadeiro fotografado pelo Expresso no seu Monte dos Perdigões, perto de Reguengos

Rui Ochôa

Segundo o “Observador”, a acusação alega que Granadeiro, Morais Pires e Pacheco de Melo terão praticado uma “violação grosseira de um conjunto de regras legais, contratuais e de atuação conforme aos bons costumes de um normal e diligente Bom Chefe de Família”

João Ramos

João Ramos

Jornalista

A Pharol pede uma indemnização de mil milhões de euros a três ex-gestores da PT. É demolidora a ação de responsabilidade civil que os acionistas da Pharol (ex-PT SGPS) interpuseram na sexta-feira contra Henrique Granadeiro (ex-presidente executivo da PT), Luís Pacheco de Melo (ex-administrador financeiro da PT) e Amílcar Morais Pires (ex-administrador executivo do BES e administrador da PT). Em causa está o investimento ruinoso de 897 milhões de euros em papel comercial da Rioforte que terá sido provocada por estes três ex-gestores da Portugal Telecom.

Segundo noticia o “Observador”, a acusação alega que o investimento na Rioforte é “totalmente desenquadrado do objeto social da PT” e que foi “uma imprudência intolerável, elementar e repreensível a todos os níveis”. Por isso considera que os ex-gestores terão praticado uma “violação grosseira de um conjunto de regras legais, contratuais e de atuação conforme aos bons costumes de um normal e diligente Bom Chefe de Família” e tiveram “uma total e incompreensível falta de profissionalismo”.

A Pharol reclama aos três gestores, no Tribunal do Comércio de Lisboa, um valor que pode ultrapassar os mil milhões de euros (897 milhões de euros da aplicação da PT na holding do grupo Espírito Santo mais os juros).

Grande parte da acusação contra Henrique Granadeiro, Luís Pacheco de Melo e Amílcar Morais Pires tem por base a prova recolhida na auditoria realizada pela PricewaterhouseCoopers (PwC) em 2014.

A Pharol é representada pelos advogados Miguel Esperança Pina, André Gomes e Gonçalo Madeira do escritório Cuatrecasas.

  • Pharol processa Granadeiro, Morais Pires e Pacheco de Melo

    As ações judiciais contra antigos gestores da PT SGPS alegadamente responsáveis pelo investimento de 897 milhões de euros na Rioforte, empresa do grupo Espírito Santo, já avançaram. Zeinal Bava fica de fora, mas a Pharol avisa que poderá avançar com mais processos

  • Henrique Granadeiro processa antiga PT

    A guerra jurídica tem dois sentidos. A Pharol decidiu processar Henrique Granadeiro; Henrique Granadeiro também decidiu processar a Pharol. O processo do antigo presidente da PT já deu entrada