Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Analistas do Citi: BPI poderá vender parte do banco em Angola sem fazer cisão

  • 333

Os analistas do Citi defendem que a separação dos ativos africanos não é a melhor solução para os maiores acionistas do BPI. E apontam que o banco pode vir a vender uma posição minoritária no BFA sem fazer a anunciada cisão. As ações do BPI prosseguem hoje com fortes ganhos em Bolsa

O Citi defende que a anunciada cisão os ativos angolanos do BPI não é a melhor solução para os seus maiores acionistas e o banco pode vir a vender uma posição minoritária no BFA sem fazer o 'spin-off'.

Os analistas do Citi subiram a avaliação do BPI de €0,95 para €1,13 a refletir "a esperada resolução do tema da grande exposição" a Angola.

O BPI é detido em 44% pelo espanhol Caixabank e em 18% pela Santoro, de Isabel dos Santos.

"Pensamos que a Santoro iria preferir deter diretamente uma posição no BFA do que possuir uma posição minoritária numa holding", diz a nota do Citi.

"Por outro lado, acreditamos que o Caixabank não seria um dono natural de longo prazo de ativos africanos e provavelmente iria analisar a venda da sua posição na holding".

O BPI anunciou, no final da passada quarta-feira, que planeia separar os seus ativos africanos para eliminar o risco da exposição elevada que tem em relação a Angola e responder a requisitos regulatórios.

Em dezembro de 2014, o Banco Central Europeu excluiu Angola da lista de equivalência regulatória. Assim, a exposição a bancos centrais e instituições em moeda local a países excluídos da lista teriam de passar a ser contabilizados com um risco a 100% (em vez de 20%).

As ações do BPI seguem a subir 4,3% para €1,063 (às 13H55) depois de ontem terem fechado a ganhar 7,94% em reação ao anúncio dos planos da cisão, com a criação de uma sociedade, que iria estar cotada, onde ficariam colocados os ativos africanos.

A subida do BPI contagia também as ações do Millennium bcp que já ontem subiram 12,64%. Hoje as ações do BCP somam 10% para €0,0539 ajudadas pelo fecho de posições curtas por parte de investidores que apostavam na queda do título, segundo analistas.