Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

1,1% do PIB português decide-se na Alemanha

  • 333

O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, admitiu que “a Volkswagen não voltará a ser a mesma companhia”

KARL-JOSEF HILDENBRAND

Futuro do gigante automóvel alemão e da fábrica da Autoeuropa discutido na próxima semana em Wolfsburgo. Encerramento é o pior cenário

O futuro dos 600 mil trabalhadores do Grupo Volkswagen (VW) começará a ser debatido na próxima semana. Entre eles estão os 3572 trabalhadores da fábrica da Autoeuropa, em Palmela, cuja produção pesa 1,1% no Produto Interno Bruto (PIB) português.

Varrido pela voragem do escândalo “dieselgate” — que manipulou as emissões poluentes dos motores a diesel — em apenas duas semanas o Grupo VW confrontou-se com um problema internacional de dimensões tão grandes que ditará, de forma incontornável, a agenda do maior encontro anual dos seus trabalhadores, marcado para Wolfsburgo, de 5 a 9 de outubro. A dúvida que todos têm é quantos postos de trabalho serão cortados se a produção total de carros do grupo for cortada em 30% ou 40%?

O sindicalista português António Chora vai participar nessa reunião e é apenas um dos muitos representantes dos 600 mil trabalhadores das 119 fábricas que a VW tem em todo o mundo. A sua maior preocupação — tal como a dos restantes trabalhadores — não está relacionada com os temas que foram agendados no ano passado, mas com a situação futura das marcas do grupo e com o tipo de produção que será possível manter em cada unidade fabril.

Leia mais na edição deste fim de semana