Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Bolsas. Ásia fecha setembro com recuperação

No último dia de setembro, as bolsas asiáticas encerraram ou estão em terreno positivo. Depois de uma quebra de mais de 4% na Bolsa de Tóquio na terça-feira, os índices nipónicos ganham mais de 2,5% esta quarta-feira. Sidney, Seul, Xangai e Hong Kong já fecharam com ganhos. Europa à espera da inflação

Jorge Nascimento Rodrigues

As bolsas da Ásia estão a fechar a última sessão do mês de setembro com ganhos.

A Europa abriu esta quarta-feira com ganhos, à espera da divulgação daqui a uma hora da previsão preliminar de inflação em setembro na zona euro. Em agosto caiu para 0,1%na zona euro e já foram divulgados os dados de setembro da inflação harmonizada para a Alemanha que entrou em terreno negativo (-0,2% depois de 0,1% em agosto) e para Espanha que aprofundou a inflação negativa (-1,2% em setembro depois de -0,5% em agosto).

Se se confirmar a continuação do processo de desinflação na zona euro, com um horizonte de continuação da queda do preço das matérias-primas (como ontem sublinhou o Fundo Monetário Internacional, ao divulgar um capítulo sobre o tema do "World Economic Outlook" que vai ser apresentado na próxima semana) e de abrandamento na China, os analistas esperam que o Banco Central Europeu se sinta pressionado para anunciar uma ampliação do atual programa de compra de dívida pública e privada.

Depois de perdas globais de 2,93% no fecho de terça-feira, segundo o índice MSCI para a Ásia Pacífico, as bolsas asiáticas já registaram esta quarta-feira ganhos em Tóquio (com os índices Nikkei 225 e Topix a fecharem acima de 2,5%), Sidney (com o índice S&P/ASX 200 a subir 2,1%), Seul (o índice KOSPI ganhou 1,03%), Xangai (índice composto sobe 0,48%) e Hong Kong (índice Hang Seng avançou 1,32%).

Em Xangai, no entanto, o índice esteve a descer na última hora da sessão de hoje, mas acabou por ficar em terreno positivo. O índice composto de Xangai perdeu 4,87% em setembro, sinalizando que a situação bolsista chinesa continua grave. No terceiro trimestre caiu 29%, a maior queda nos índices bolsistas da Bloomberg à escala mundial.

Mumbai está a negociar em terreno positivo, com o índice BSE Sensex registando ganhos perto de 1%.

A Bolsa de Tóquio caiu na terça-feira mais de 4% e recuperou esta quarta-feira mais de 2,5%. Os analistas atribuem a reviravolta à expetativa entre os investidores que o governo de Shinzo Abe e o Banco do Japão avançarão com nova rodada de estímulos orçamentais e monetários, se o abrandamento da China prosseguir (Japão foi o segundo fornecedor em 2014) e a queda do preço das matérias-primas continuar com impacto desinflacionista (inflação nipónica homóloga em agosto manteve-se em 0,2%) ou deflacionista (sem contar os alimentos frescos, a inflação caiu para terreno negativo em agosto, registando -0,1%). Sinal de que a economia nipónica poderá ter uma recaída no terceiro trimestre do ano, a produção industrial em agosto caiu 0,5%, depois de uma quebra de 0,6% em julho.