Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Escândalo Volkswagen: Seat suspende vendas em Portugal de modelos potencialmente afetados

  • 333

FOTO: JOSEP LAGO/AFP/GETTY

Os 50 carros a diesel com motores do tipo "EA189" (os mesmos do escândalo Volkswagen) que a Seat tem em stock no mercado português não serão vendidos, garantiu ao Expresso fonte da empresa. Volkswagen tem de recolher todos os 11 milhões de veículos manipulados

A Seat Portugal não vai vender no mercado nacional os cerca de 50 carros equipados com motor diesel da série "EA189" que tem em stock, aguardando que o grupo Volkswagen (VW) faça testes para averiguar a situação de cada um destes veículos. "Até termos todos os problemas identificados, não será vendido um único carro destes em Portugal", referiu a responsável pela comunicação da Seat em Portugal, Teresa Lameiras.

Os problemas com os veículos equipados com motores diesel do tipo "EA189" decorrem do facto de pertencerem ao grupo de 11 milhões de veículos em que foi montado um software que manipula os resultados dos testes às respetivas emissões poluentes. Os veículos em causa foram produzidos entre os anos de 2009 e 2014.

Só na marca Seat - uma das várias que pertence ao Grupo VW - foi instalado um software semelhante em 700 mil veículos, que ainda foram produzidos para responder aos parâmetros ambientalistas fixados para as designadas normas Euro5. As normas para as emissões poluentes que vigoram desde 1 de setembro de 2015 - as normas Euro6 - são mais exigentes e restritivas, impondo sistemas mais sofisticados de filtros de particulas que reduzem os níveis de emissões atmostéricas.

Para resolver este problema de proporções gigantescas, a VW tem de recolher todos os 11 milhões de veículos manipulados e terá ressarcir todos os lesados - entre os quais grandes investidores institucionais que acreditaram no potencial tecnológico da VW -, sendo imprevisível o efeito desta crise no futuro da VW.

Entretanto, as cotações das ações da VW prosseguem em queda, transacionando-se a 96,21 euros por ação, o que corresponde a uma quebra superior a 40% desde o início do escândalo do "dieselgate".

Os motores diesel afetados por esta fraude são diversos, centrando-se nas motorizações 1.6 e 2.0, não sendo de excluir que haja outras cilindradas afetadas. Em Portugal, a gama Leon não teve qualquer problema destes, garante Teresa Lameiras.