Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Venda do Novo Banco está difícil e BdP empata o processo

  • 333

José Carlos Carvalho

Depois de goradas as negociações com a seguradora chinesa Anbang e da passagem mal sucedida para o segundo candidato, a Fosun, não existe um desfecho positivo na venda do Novo Banco. O Banco de Portugal tem estado oficialmente calado e no mercado financeiro já todos esperam por um novo concurso

O falhanço nas negociações do Banco de Portugal (BdP) com os candidatos que ficaram posicionados em primeiro e segundo lugar - os investidores chineses da Anbang e da Fosun - é já evidente desde a semana passada. No mercado já ninguém acredita que o dossiê fique fechado no âmbito deste concurso. O silêncio do BdP nesta fase começa a ser interpretado como bluff nos meios financeiros.

“O facto de o BdP não vir esclarecer o país sobre o ponto das negociações, deixando que se especule sobre o que está acontecer e permitindo que fique no ar a dúvida se ainda existem negociações com a Fosun ou se vão passar para a Apollo (terceira candidata), parece fazer parte de uma estratégia para empatar a derradeira decisão de colocar um ponto final neste concurso”, refere uma fonte ligada ao sector financeiro. O facto de estarmos próximos das eleições legislativas e a venda do Novo Banco ser um tema sensível pode estar a contribuir para a nebulosa na informação que se está a gerar, acrescenta.

O Expresso sabe que a Apollo terá tido conversas nos últimos dias com o BdP. Se isso aconteceu, ainda que informalmente, o processo torna-se ainda mais confuso. Afinal, Carlos Costa estaria a tentar negociar com a Fosun e a Apollo ao mesmo tempo, ao contrário do que se admitia. Recorde-se que quando acabou as negociações com a Anbang, o BdP fez um comunicado a dizer que ia passar ao segundo candidato.

As negociações com a Fosun, ao que foi possível apurar, foram breves. O BdP queria que o conglomerado chinês subisse o preço, mas a Fosun não quis. E as negociações ficaram por ali. Entretanto, a Fosun veio já dizer na segunda-feira que nos próximos tempos vai travar novas aquisições e focar-se no que já tem. Um sinal de que houve um arrefecimento no interesse no Novo Banco.

Fontes financeiras admitem que neste momento será difícil vender o banco, até porque “estamos a cerca de dois meses e meio dos testes de stresse do Banco Central Europeu e a incerteza sobre o que poderá vir a ser exigido ao Novo Banco é enorme. Ninguém quer arriscar fechar o negócio neste cenário”. Ou seja, ter de injetar capital no banco agora e arriscar-se a ter de voltar a fazê-lo.

O arrastar do processo de venda tem estado a penalizar o BCP e o BPI na bolsa de Lisboa nos últimos dias, por causa das potenciais perdas para o Fundo de Resolução, onde os bancos do sistema participam. O BCP é quem mais perde, porque seria entre os bancos cotados o que mais seria penalizado.

Se o Novo Banco fosse comprado por 2000 milhões de euros, como se previu no mercado, a CGD teria um encargo de 850 milhões de euros, o BCP de 580 milhões de euros e o BPI de 300 milhões de euros. Às 12h50 na bolsa de Lisboa, o BCP estava a perder 1,64% para 0,048 euros e o BPI a valorizar 2,22% para 0,83 euros.

A tentativa de vender o Novo Banco antes das eleições já está comprometida - é pelo menos neste cenário que se aposta. Por isso, hoje é esperado um comunicado do Banco de Portugal a esclarecer a situação.

  • Venda do Novo Banco só depois das eleições

    O “Diário Económico” avança que o Banco de Portugal vai anunciar esta terça-feira o fim das negociações, tanto com a Fosun como com a Apollo, e que o processo de negociações fica adiado para depois das eleições legislativas