Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Novo Banco. PwC alerta para “riscos impossíveis de quantificar”

  • 333

Na auditoria às contas semestrais, a PWC reconhece contigências impossíveis de quantificar no balanço do Novo Banco

A PwC, a auditora do Novo Banco, deixou no relatório às contas semestrais várias reservas, sublinhando os riscos e contingências decorrentes das decisões tomadas pelo Banco de Portugal (BdP) no âmbito da resolução do antigo BES. A PwC sublinha que estes riscos “são impossíveis de quantificar”, e por isso o verdadeiro valor do banco é um enigma.

A PwC identifica três riscos distintos, que poderão ser materialmente relevantes. Um deles refere-se ao risco de litigância, por causa dos processos judiciais colocados por investidores que contestam a resolução do BES. Em causa estão processos em que são exigidos 1,5 mil milhões ao Novo Banco. As contas do banco foram elaboradas , por indicação, do Banco de Portugal,no pressuposto de que “não se esperam encargos” para a instituição decorrentes daquela litigância.

Uma outra advertêcia refere-se a emissões de dívida subordinada colocada pela subsidiária BES Finance, (499 milhões de euros). O Novo Banco defende que não é responsável pelo reembolso. Mas, vários fundos internacionais exigem que o Novo Banco assuma a dívida que ficou no BES "mau". A PwC adverte para o impacto negativo dessa possibilidade.

Finalmente, o relatório da PwC às contas semestrais considera demasiado otimista a estimativa de ganho de 1,25 mil milhões de euros relativos a impostos diferidos ativos (DTA). A recuperação dependerá da futura obtenção de resultados positivos. A PwC considera que a estimativa incorpora é otimista “tendo em conta a conjuntura económica e o facto de se tratar de um banco de transição”. Essas advertências já constavam do relatório das contas de 2014.

Em resumo, a PwC conclui que o balanço consolidado do banco em 30 de Junho de 2015, encontra-se sobreavaliada “por um montante que não nos é possível quantificar com razoável grau de segurança”, tendo em conta o conjunto de fatores envolvidos.

As reservas da PwC evidenciam os problemas existentes no balanço que o Novo Banco herdou do BES e juntam-se o crsecimento de crédito em risco e necessidades de capital que deverão resultar dos testes de stress do BCE. O Novo Banco deverá precisar de um reforço de capital de mil milhões de euros. Caberá ao novo dono (ou ao Fundo de Resolução no caso de não ser vendido) assumir esse encargo. A leitura da auditora dá força ao ao cenário de adiamento da venda, o cenário que surge como derradeira solução se todas as outras falharem.