Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Pedro Camacho vai ser o novo diretor da Lusa

  • 333

Antigo diretor da "Visão" foi o escolhido pela administração da agência noticiosa para substituir Fernando Paula Brito a partir de outubro. Nomeação terá ainda de ser aprovada pela ERC. Direção atual demite-se em bloco depois de ter sido informada sobre as alterações em curso

O jornalista Pedro Camacho, ex-diretor da revista “Visão”, deverá assumir em outubro o cargo de diretor de informação da agência Lusa. A decisão de substituir o atual diretor Fernando Paula Brito foi tomada no início desta semana pelo conselho de administração da empresa e começou a ser comunicada internamente aos jornalistas e trabalhadores da agência esta quarta-feira.

Segundo as informações recolhidas pelo Expresso, depois de ouvido o conselho de redação da Lusa ao início da tarde desta quarta-feira, o conselho de administração da empresa deverá fazer seguir ainda esta semana para a Entidade Reguladora da Comunicação Social o necessário parecer à nomeação de Pedro Camacho.

Esta quarta manhã, a atual direção de informação da agência Lusa anunciou num comunicado interno a decisão de se demitir em bloco, depois de lhe ter sido comunicada pela administração a intenção de afastar Fernando Paula Brito.

Segundo essa nota citada pela própria agência Lusa, Fernando Paula Brito explicou aos trabalhadores da empresa que o conselho de administração da Lusa, através da sua presidente, Teresa Marques, o informou da sua “decisão de realizar uma alteração na estrutura da Lusa que inclui a mudança do diretor de informação”.

Na sequência desta decisão, os atuais diretores adjuntos da agência – Nuno Simas e Ricardo Jorge Pinto – apresentaram também a sua demissão “solidariamente”. Ou seja, toda a direção vai cessar funções.

Até ao momento não foi possível obter um comentário da presidente do conselho de administração da Lusa sobre estas mudanças, que estão incluídas num processo mais abrangente de mudanças estruturais na empresa.

Fernando Paula Brito, antigo correspondente da Lusa em Bruxelas, assumiu a direção de informação da agência em agosto de 2011, em substituição do anterior diretor Luís Miguel Viana, que chegou a acordo para a rescisão amigável do seu contrato com a empresa poucos dias depois de o novo Governo liderado pelo PSD e pelo CDS ter tomado posse.

A saída de Viana, que tinha sido nomeado durante o Governo de Sócrates, foi, de resto, a primeira mudança de cargos na comunicação social pública durante o mandato de Pedro Passos Coelho como primeiro-ministro.

A Agência Lusa é detida maioritariamente pelo Estado português, com 50,14% da estrutura acionista da empresa. Entre os restantes acionistas da agência noticiosa encontram-se a Global Media, dona do “DN”, “JN” e TSF, com 23,36% do capital, e a Impresa, dona do Expresso, SIC e “Visão”, com 22,35%.