Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Nova associação têxtil quer aprender com o exemplo do calçado

  • 333

Reativada há seis meses, a Associação Nacional das Indústrias do Vestuário e Confeção apresentou-se numa feira de calçado. Porquê? Quer “aprender com o melhor do associativismo português”

Há uma nova associação na frente têxtil que resulta, na prática, da recuperação de uma estrutura que tinha falido e agora está a renascer, sob a liderança de César Araújo, dono da Calvelex, para representar o sector do vestuário.

A ANIVEC /APIV - Associação Nacional das Indústrias do Vestuário e Confeção está no terreno há seis meses, mas escolheu a MICAM - a maior feira de calçado do mundo, para se apresentar pela primeira vez em público, ao lado do Ministro da Economia, da APICCAPS - Associação Portuguesa dos Industriais do Calçado e de 93 empresas lusas do sector do calçado. Porquê? Perguntou o Expresso. “Porque queremos aprender com o melhor do associativismo português e a APICCAPS é um exemplo em Portugal”, explicou o vice-presidente, João Paulo Pinto Machado, que tem, também, como colegas de direção nesta estrutura, Luís Figueiredo, da Laranjinha, Orlando Lopes da Cunha, da FAPOMED, e Jaime Regojo, do grupo Regojo.

É verdade que entre os dirigentes associativos portugueses de diferentes sectores há quem defenda que uma das virtudes do calçado tem sido, exatamente, a união do sector numa única associação, enquanto a estratégia dos têxteis tem estado nas mãos da ATP - Associação Têxtil e Vestuário de Portugal, mas também de estruturas como a ANIVEC, que tinha entrado num processo de insolvência, ou a ANITLar, dedicada aos têxteis lar, mas a nova direção da ANIVEC acredita poder “ter uma palavra positiva e importante a dizer” sobre o futuro da fileira.