Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Prejuízo da TAP no primeiro semestre dispara mais de 70%

  • 333

Companhia aérea perdeu 143 milhões de euros até junho, altura em que registava capitais próprios negativos de 631 milhões, segundo revelou a Parpública

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

A TAP sofreu um prejuízo de 142,9 milhões de euros no primeiro semestre deste ano, um valor que agrava em 71% as perdas que a companhia aérea portuguesa tinha contabilizado em igual período do ano passado, revela o relatório e contas semestral do grupo estatal Parpública.

No seu relatório a Parpública explica que “este agravamento dos prejuízos está naturalmente relacionado com o impacto das greves (anunciadas e efetivas) e às inerentes perturbações na prestação dos serviços ao nível do transporte aéreo, embora também a atividade de manutenção desenvolvida no Brasil tenha contribuído para esse agravamento”.

A TAP foi a participada da Parpública que contribuiu mais negativamente para os resultados da holding estatal no primeiro semestre, um período em que a Parpública também registou lucros significativos na área de águas e resíduos, através da sua posição na Águas de Portugal.

Globalmente a Parpública baixou o seu prejuízo no primeiro semestre em 61%, para cerca de 46 milhões de euros.

Relativamente à TAP a Parpública assume ainda um impacto negativo da necessidade de registo de provisões para a companhia aérea, para fazer face ao agravamento da situação financeira da TAP: a companhia presidida por Fernando Pinto passou de capitais próprios negativos de 512 milhões de euros em junho de 2014 para capitais próprios negativos de 631 milhões em junho de 2015.

Recorde-se que no final do primeiro semestre a Parpública assinou o contrato de venda ao consórcio Gateway de ações representativas de 61% do capital da TAP. Mas a transação aguarda ainda a aprovação da Autoridade da Concorrência (AdC). O acordo de venda prevê um plano de recapitalização da companhia aérea a cargo do consórcio liderado pelos empresários David Neeleman (dono da Azul) e Humberto Pedrosa (presidente da Barraqueiro).