Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Maioria das bolsas europeias em queda

  • 333

Milão e Atenas são a exceção e seguem em terreno positivo, quando a maioria das bolsas na Europa está a descer

A maioria das bolsas na Europa seguem hoje a negociar em queda, à exceção de Milão e Atenas, que seguem em terreno positivo.

Pelas 8h30 [hora de Lisboa], o Euro Stoxx 50 cedia 0,48% para 3.270,18 pontos, com as principais praças europeias a oscilarem entre as perdas de 0,72% de Paris e os ganhos de 1,08% na bolsa de Atenas.

As ações em Madrid recuavam 0,41% e em Frankfurt perdiam 0,55%, pela mesma hora. Já Milão subia 0,22%. A bolsa de Londres estará encerrada por ser feriado.

Já em Lisboa, o índice PSI20 mantinha a tendência de abertura da sessão e seguia a perder 0,56% para 5.250,55 pontos.

Os investidores estarão hoje atentos aos dados da inflação homóloga na zona euro em agosto, estimando-se uma descida de 0,1%, "movimento inverso ao pretendido pelo BCE [Banco Central Europeu] com o programa de compra de ativos que tem em curso (recolocação nos 2%)", refere o analista de mercados Ramiro Loureiro

Nos Estados Unidos será conhecido o indicador Chicago PMI, com os analistas a estimarem uma estagnação do ritmo de expansão da atividade industrial neste distrito da Reserva Federal norte-americana (Fed).

Entretanto, o preço do barril de petróleo Brent, para entrega em outubro, abriu hoje em baixa no Intercontinental Exchange Futures de Londres, a valer 49,25 dólares, menos 0,8% do que no fecho da sessão anterior.

Na sexta-feira, o Brent encerrou no mercado de futuros de Londres nos 50,05 dólares, mais 5,23% do que no fecho da sessão anterior.

O euro, por sua vez, estava a valorizar na abertura do mercado de divisas de Frankfurt ao transacionar-se a 1,1250 dólares, contra 1,1224 dólares a que se negociou nas últimas horas do dia anterior.

Nos mercados asiáticos, a bolsa de Xangai abriu hoje em baixa e mantinha as perdas e meio da sessão quando o seu índice geral cedia 2,61% (84,27 pontos) para as 3.148,08 unidades.

A principal bolsa chinesa, que registou subidas consecutivas durante dois dias após uma crise que levou a perder quase 23% em pouco mais de uma semana, abriu com perdas no Índice Composite de Xangai que se mantiveram até ao intervalo da sessão.

A segunda maior praça financeira chinesa - a de Shenzhen - seguia a mesma tendência a meio da sessão, com o seu índice geral a perder 2,39%.