Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Frase de banqueiro central convence Wall Street que fecha com ganhos

Ao fim de seis sessões consecutivas de perdas, os índices das bolsas de Nova Iorque fecham esta quarta-feira em terreno positivo. O presidente da Reserva Federal de Nova Iorque disse que aumentar as taxas de juro na reunião de 16 e 17 de setembro é, agora, “menos convincente”

Jorge Nascimento Rodrigues

Uma frase de banqueiro central norte-americano foi esta quarta-feira o suficiente em Wall Street para esquecer mais um dia de queda na Bolsa de Xangai e afastar a maré vermelha nas bolsas europeias.

Entre os cinco índices bolsistas com maiores ganhos registados esta quarta-feira à escala internacional, três são de Nova Iorque: o Nasdaq (das cotadas tecnológicas) subiu 4,24%, e, em Wall Street, os ganhos foram de 3,95% no Dow Jones 30 e de 3,9% no S&P 500. Os outros dois índices foram o Merval, de Buenos Aires, que liderou com ganhos de 5,24% e o OMX da bolsa de Helsínquia que subiu 4,32%.

A frase marcante foi proferida pelo presidente da Reserva Federal de Nova Iorque, William Dudley, que admitiu que o início da subida das taxas diretoras de juros da Reserva Federal (Fed) já na reunião de 16 e 17 de setembro é, agora, “menos convincente”. Foi o suficiente para animar esta quarta-feira os investidores nas bolsas de Nova Iorque que na terça-feira ao final da tarde haviam protagonizado uma reviravolta na trajetória dos índices, conduzindo a um fecho no vermelho.

O estoiro da bolha bolsista chinesa (que já soma mais de 43% desde o pico a 12 de junho) e a incerteza sobre a decisão que a Fed tomará nas próximas reuniões ainda a realizar em 2015 estão a marcar os humores dos investidores.

Recapitulando o dia, no sentido dos ponteiros do relógio: a volatilidade voltou a tomar conta da bolsa de Xangai e o índice composto fechou no vermelho, com perdas de 1,3%, inferiores, sem dúvida, às derrocadas de segunda e terça-feira, com descidas de 8,45% e 7,63% respetivamente; na Europa e Médio Oriente, as bolsas estiveram quase todas em terreno negativo, com as três principais quedas a registarem-se em Zurique, Riade e Amesterdão; nas Américas, registaram-se ganhos em Buenos Aires (com o índice Merval a ganhar 5,24%), Wall Street e São Paulo (com o índice Bovespa a ganhar 3,35%). O índice da Bolsa de Lisboa, o PSI 20, fechou a perder menos de 1%.

Os índices de pânico financeiro fecharam “mistos”. O VIX ligado ao índice europeu Eurostoxx 50 subiu 4,88%, enquanto o CBOE relacionado com o índice norte-americano S&P 500 desceu 15,8% e o VXFXI ligado ao comportamento dos fundos chineses que investem em cotadas caiu 11,13%.

No terreno das matérias-primas, prossegue a trajetória de queda dos preços. O índice Bloomberg para 22 commodities perdeu esta quarta-feira 1,32%; desde o início do ano já caiu 18,4%. Esta quarta-feira, as cinco maiores quedas de preços de matérias-primas registaram-se com a prata, zinco, óleo de soja, soja e açúcar, com descidas acima de 1,7%.

Fed vai adiar subida dos juros e BCE vai prolongar QE?

As duas interrogações têm surgido constantemente. As palavras desta quarta-feira do presidente da Reserva Federal de Nova Iorque retiraram o caráter iminente da decisão de subida das taxas diretoras pela FED somando-se às declarações de Vítor Constâncio e Peter Praet do Banco Central Europeu (BCE) sobre a possibilidade de ampliar a dimensão financeira da intervenção de compra de ativos (incluindo obrigações soberanas dos membros do euro) e o período de intervenção para além do final de setembro de 2016, um programa que é etiquetado de “QE”, acrónimo para quantitative easing.

Praet, economista-chefe e membro da direção executiva do BCE, afirmou esta quarta-feira que “não deverá haver nenhuma ambiguidade sobre a disposição e capacidade [do BCE] para atuar se necessário” face “aos recentes acontecimentos na economia mundial e nos mercados de matérias-primas” que provocaram um aumento dos riscos, ameaçando uma trajetória de subida da inflação na zona euro no sentido da meta da política monetária (inflação abaixo mas próxima de 2%).

O BCE reúne já na próxima semana, a 3 de setembro, e os analistas e investidores vão estar atentos às declarações de Mario Draghi, o presidente do banco central.

Entretanto, os analistas procurarão “sinais” sobre movimentos de política monetária na cimeira anual de banqueiros centrais de todo o mundo organizada pela Fed em Jackson Hole, nos EUA, que decorre na sexta-feira e no sábado.

  • Ações europeias com pior mês em 7 anos

    O índice FTSEurofirst 300, que reúne as 300 maiores empresas cotadas europeias, está a caminho de ter em agosto o pior mês dos últimos sete anos. Nos EUA, o dia está a ser positivo. Mas as nuvens mantêm-se na China

  • Bolsas. E ao terceiro dia, Xangai volta a fechar no vermelho

    Mais uma sessão bolsista imprópria para cardíacos. O índice de Xangai perdeu 3% a meio da manhã, recuperou ao começo da tarde mais de 4%, e depois entrou em queda e na última meia hora deu um trambolhão. O “Senhor das Ações”, um touro de três toneladas em Xiamen, ainda não deu sorte