Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Anda comigo ver os canhões

  • 333

Chama-se Associação do Turismo Militar Português, vai ser apresentada na segunda-feira e arranca com dois roteiros históricos: o da Defesa do Alentejo e o dos Templários

Nasce esta sexta-feira, no dia em que se celebra a conquista de Ceuta pelos portugueses, a Associação do Turismo Militar Português. Objetivo? Valorizar e rentabilizar o património histórico, dando a conhecer a história militar de Portugal aos turistas nacionais e estrangeiros. A associação será presidida por Álvaro Covões, dono da produtora Everything is New, e vai arrancar com o lançamento de dois roteiros de turismo militar – o da Defesa do Alentejo e o dos Templários.

“Portugal está a passar por um grande crescimento em termos do número de turistas. Mas há falta de conteúdos. Todos os grandes destinos do mundo têm uma grande oferta diferenciadora e os que temos hoje estão a chegar ao limite”, contextualiza Álvaro Covões.

“Há equipamentos militares, que pertencem às autarquias ou às Forças Armadas, que estão desafetos de atividade e que podem ser aproveitados”, adianta. Equipamentos como o Castelo do Queijo, no Porto, ou o Forte do Bugio, em Carcavelos. “Não são castelos de fantasia, da Branca de Neve ou da Bela Adormecida, são castelos de verdade, da nossa história, e que temos de aproveitar e dar a conhecer”.

O turismo militar, criado pelo Ministério da Defesa Nacional em conjunto com várias entidades ligadas ao Turismo em Portugal, tem vindo a ser trabalhado desde 2012 através da assinatura de protocolos pontuais com entidades regionais.

O projeto que nasce agora conta com a participação da Associação Nacional do Turismo, o Instituto Politécnico de Tomar, a Universidade Portucalense, a Fundação Aljubarrota e também a Direção-Geral de Recurso de Defesa Nacional.

A Associação do Turismo Militar Português terá também um conselho consultivo, presidido pelo chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas e que integrará também os três ramos militares. O projeto é apresentado oficialmente na segunda-feira, no Porto, com a presença do Ministro da Defesa Nacional, José Pedro Aguiar-Branco.