Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Grupo chinês que está na corrida ao Novo Banco suspeito em caso de corrupção

  • 333

Fosun detém em Portugal a Fidelidade e Luz Saúde. É um dos três candidatos à compra do Novo Banco, a par dos também chineses Anbang e dos norte-americanos da Apollo

Segundo o “Financial Times”, e com base num relatório da agência de informação oficial chinesa Xinhua, a Fosun está a defender-se em tribunal contra a acusação de ter vendido propriedades por um preço abaixo do custo de mercado ao ex-responsável da empresa estatal Bright Food Group, Wang Zongnan. O tribunal condenou Wang Zongnan a 18 anos de prisão por peculato e corrupção.

A agência Xinhua refere que "após o estabelecimento de uma joint-venture entre a Fosun e a Shangai Friendship Group", onde Wang Zongnan foi gerente,"Wang aproveitou-se da sua posição e terá dado beneficios à Fosun". Wang ter-se-á aproximado do líder da Fosun, Guo Guangchang, para colher vantagens na compra de uma propriedade para os seus pais, em 2003. Em causa estão duas moradias do grupo Fosun que foram vendidas por um preço inferior ao valor de mercado.

Fosun nega quaisquer benefícios

A Fosun, adianta o “Financial Times”, nega as acusações, tendo afirmado em comunicado que “não recebeu qualquer benefício inapropriado pela cooperação com a Shangai Friendship Group, nem recebeu quaisquer benefícios de Wang Zongnan”.

A Fosun referiu ainda em sua defesa que “a compra da casa de Wang foi concluída em 2003. Acreditamos que os preços de venda estavam dentro de um intervalo de descontos razoável oferecidos naquela altura”.

Este caso faz parte de um conjunto de processos que envolvem altos funcionários do governo e executivos de empresas estatais que estão a ser investigados e julgados na sequência da campanha anticorrupção de Pequim, revela o “Financial Times”.