Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Shell despede 6500 funcionários

  • 333

Simon Henry e Ben van Beurden, respetivamente diretores executivo e financeiro da Royal Dutch Shell, durante a conferência de imprensa em Londres onde foram apresentados os resultados da companhia

WILL OLIVER / EPA

Baixa do preço do petróleo leva multinacional petrolífera a reduzir força de trabalho em 7%

A anglo-holandesa Royal Dutch Shell anunciou o despedimento de 6500 trabalhadores, cerca de 7% do total da força de trabalho, no âmbito de um plano para reduzir os custos operacionais em 4 mil milhões de dólares (3,6 mil milhões de euros), na sequência da baixa dos preços do petróleo que se prevê que se mantenha durante os próximos anos, segundo a imprensa internacional.

O resultado líquido da Shell no segundo trimestre de 2015 caiu para 3,47 mil milhões de euros, quando no ano anterior tinha tido um lucro de cerca de 6,1 mil milhões de euros, o que significa um recuo de 43%. Para além dos cortes no pessoal, a Shell quer reduzir o capital de investimento em 20% quando comparado com 2014, o que significa menos 6,4 mil milhões de euros para 27,5 mil milhões.

O plano tem como objetivo reduzir os custos operacionais em 10% ainda em 2015, bem como manter essa redução em 2016. A previsão de venda de activos mantém-se nos 18,3 mil milhões de euros para o período combinado entre 2014 e 2015. No pacote, está incluída a venda por 1,28 mil milhões de euros da participação na Showa Shell à Idemitsu, a maior refinadora japonesa.

O anúncio de despedimentos da gigante anglo-holandesa surge numa conjuntura particular para as empresas ligadas ao ramo do petróleo, desde que o barril iniciou a trajectória descendente, em junho de 2014. O excesso de oferta no mercado internacional tem vindo a arrastar o preço do brent para mínimos de há mais de cinco anos.

Até agora também houve outras empresas que anunciaram despedimentos, como a norte-americana Chevron, que anunciou esta semana o despedimento de 1500 trabalhadores. Também a Saipem, detida pela Eni, eliminou postos de trabalho na sequência dos maus os resultados.