Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Ricardo Salgado. Humilhações, arrestos, divisão de culpas e um domingo sem missa

  • 333

Fechado em casa sob vigilância pessoal, Ricardo Salgado ficou este domingo impossibilitado do ritual de sempre: sair com a mulher e assistir à missa na Igreja do Espírito Santo, em Cascais, propriedade da família

Tiago Miranda

Sob prisão domicilária, Ricardo Salgado faltou à missa este domingo mas está de volta às primeiras páginas dos jornais. Fala-se de um arresto de bens no valor de 1,8 mil milhões para garantir indemnizações, mas também da estratégia de vigilância policial

A prisão domicilária de Ricardo Salgado, ex-presidente executivo do BES, vai custar 16 vezes mais ao erário público do que custaria a pulseira eletrónica. A conclusão é do jornal “i”, que faz as contas e apresenta os números: 265 euros contra 16,5 euros diários.

“Só em salários, esta medida custará perto de oito mil euros mensais (já que implica um efetivo policial de oito agentes da PSP, um mínimo de dois oficiais por turnos de seis horas, 24 horas por dia)”, refere o jornal, que chama o caso à primeira página para dizer que “juiz Carlos Alexandre humilha Ricardo Salgado - Todas as visitas de casa são revistadas”.

Quanto às razões que levaram Carlos Alexandre a decretar a prisão domicilária de Salgado, sob vigilância policial, quando os procuradores titulares do processo pretendiam apenas impedir o ex-banqueiro de sair do país e de contactar algumas pessoas, o “i” adianta que a medida, apesar de polémica, poderá representar “uma tentativa de humilhação de Ricardo Salgado”, arguido no âmbito do processo Grupo Espírito Santo.

Recorde-se que além de Ricardo Salgado, há mais cinco pessoas que foram já constituídas arguidas na investigação ao universo Espírito Santo. São elas Isabel Almeida, António Soares, José Castella, Pedro Luís Costa e Cláudia Boal de Faria.

Já o “Diário de Notícias” explica que “o juiz terá aplicado a vigilância policial em vez do controlo através de pulseira eletrónica por ser mais eficaz a verficação pelos agentes da PSP das visitas que Salgado tem e adianta que o telefone do ex-banqueiro poderá ficar sob escuta.

Salgado, como vítima

O “Jornal de Notícias” opta por um ângulo diferente para noticiar na primeira página que “Defesa não quer Salgado sozinho a assumir as culpas”. É uma estratégia alicerçada no argumento de que o ex-banqueiro também foi lesado pela derrocada do seu império e, juntamente com a mulher, ficou sem 5,5 milhões de euros investidos no primeiro semestre de 2014 em títulos de dívida emitidos pela holding Espírito Santo Internacional, onde ficou a descoberto um buraco de 1,3 mil milhões de euros no final de 2013.

“Afigura-se no mínimo inverosímil que uma única pessoa consiga concentrar em si a gestão de 500 - repita-se 500! - sociedades com um conjunto muito vasto de atividades, desde o setor não-financeiro até ao setor financeiro, dispersas por diversos países e continentes“, dizem os seus advogados citados pelo “JN”.

Indiciado por seis crimes de burla qualificada, falsificação de documentos, falsificação informática, branqueamento de capitais, fraude fiscal qualificada e corrupção no sector privado, Salgado e alguns membros da sua família poderão, também, enfrentar um arresto de bens e contas bancárias no estrangeiro, no valor de 1,83 mil milhões de euros, para eventuais indeminizações a pessoas e empresas prejudicadas com a atividade do BES e do GES, refere o “Correio da Manhã”.

O diário destaca ainda que o ex-banqueiro faltou à missa este domingo, na capela privada da família, onde era presença habitual, e que o padre que costuma conduzir a cerimónia também esteve ausente. Aliás, a própria vigilância policial terá deixado de fora a porta de acesso à residência de Ricardo Salgado atrás da capela da família, sublinha o “CM”.

Sob a vigilância policial aplicada ao ex-banqueiro, os jornais apresentam informações diversas. O “CM garante que a PSP de Cascais alterou, no sábado à noite, a vigilância à sua casa uma vez que o patrulhamento previsto (oito agentes divididos em grupos de dois e distribuídos por quatro turnos de seis horas) deixou deficitário o patrulhamento do concelho. Assim, o cumprimento da medida de coação terá passado a ser assegurado apenas por um polícia fardado, colocado junto ao portão principal da moradia. Quanto ao perímetro da casa, fica sob vigilância dos carros-patrulha e de viaturas policiais descaracterizadas.

Esconder luxos no Brasil

Este domingo, o “CM” noticiava que Ricardo Salgado teria conseguido desfazer-se de património e esconder da justiça parte da fortuna amealhada nos últimos anos. “A Polícia Judiciária detetou a venda de um imóvel de luxo no Brasil e seguiu ainda o rasto de dezenas de obras de arte que saíram de Portugal em direção ao mesmo país da América do Sul. Há ainda indícios de que Salgado seja proprietário de um vasto património imobiliário naquele país, que poderá estar oculto em socidades offshore”, refere o jornal, acrescentando que a investigação já perrmitiu encontrar dezenas de quadros “prontos para serem vendidos” em leiloeiras portuguesas e, também, terão sido levadas obras de arte para casa de familiares e amigos.

Quarta e quinta-feira passadas, a judiciária fez buscas na sede da ESEGUR, uma empresa de segurança especializada no transporte de valores onde o BES detinha quase metade das ações, tendo apreendido documentos e centenas de quadros que estavam no cofre da empresa, refere o “Público” citando fontes da PJ.

Recorde-se que na passada sexta-feira o ex-presidente do BES esteve todo o dia a ser interrogado pelo juiz Carlos Alexandre e ficou sob prisão domicilária, sem pulseira eletrónica, mas com a possibilidade de sair de casa, excecionalmente, com autorização do juiz. O seu advogado, Proença de Carvalho já admitiu recorrer da medida de coação.

O antigo banqueiro do BES é, também, arguido no processo Monte Branco, que investiga a maior rede de branqueamento de capitais descoberta em Portugal.

  • A lista dos seis arguidos no caso Espírito Santo

    Ricardo Salgado é o nome mais sonante. Todos eles são suspeitos de crimes como branqueamento de capitais, falsificação, falsificação informática, burla qualificada, abuso de confiança, fraude fiscal e corrupção no setor privado

  • Salgado fica em prisão domiciliária

    Advogados de defesa já fizeram saber que vão apresentar recurso, por considerarem “desproporcionada” a medida imposta. Salgado já é arguido no caso BES desde segunda-feira, mas só se soube esta sexta. Foi ouvido por Carlos Alexandre porque o Ministério Público queria uma medida de coação mais dura que o termo de identidade e residência. Interrogatório do juiz demorou mais de 12 horas