Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Grupo Pearson estuda venda do “Financial Times”

Venda do título de informação económica pode render cerca de 1,5 mil milhões de euros, segundo fontes citadas pela Bloomberg

O grupo britânico Pearson, proprietário do “Financial Times”, está a analisar a possível venda do jornal, na sequência de várias manifestações de interesse que recebeu por parte de potenciais compradores.

A informação foi avançada esta segunda-feira de tarde pela Bloomberg, citando fontes próximas do processo que - apesar de sublinharem não estar formalmente aberto o processo de venda do jornal - situam a fasquia para a eventual operação em valores na ordem dos 1,5 mil milhões de euros.

A notícia avançada pela Bloomberg dá como potenciais interessados na operação nomes como o do grupo alemão Axel Springer (proprietário de títulos como o “Bild” ou o “Die Welt” e um dos maiores grupos europeus de comunicação) e investidores asiáticos ou do Médio Oriente.

A possível venda do “Financial Times” tem sido alvo de rumores recorrentes e já em 2013, por exemplo, foi noticiada a existência de negociações com o magnata dos media Rupert Murdoch. As informações foram, no entanto, formalmente desmentidas na altura pelo grupo Pearson, que então classificou o “Financial Times” como um ativo estratégico para o grupo.

Na base da decisão da empresa de avaliar agora a possível alienação do jornal estará o facto de o grupo Pearson ter decidido centrar o seu foco nas suas áreas de negócio mais diretamente relacionadas com a educação.

A Bloomberg recorda, no entanto, que no final do ano passado, o “chief financial officer” do grupo Pearson, Robin Freestone, garantiu que a venda do jornal não era uma prioridade para o grupo, apesar de reconhecer que a propriedade do “Financial Times” não era essencial para a estratégia global da empresa.

No último ano, o “Financial Times” teve uma média de circulação de cerca de 720 mil exemplares por edição, dos quais perto de 70% provêm de assinaturas digitais.