Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Portugal marca lugar em feira anual da maior central de compras da Alemanha

  • 333

O congresso anual da BME dedicado à indústria farmacêutica, que juntará em fevereiro centenas de empresas, terá Portugal como país convidado

Miguel Prado

Miguel Prado

Jornalista

Portugal vai ser o país convidado do congresso que a BME, a maior central de compras da Alemanha, realizará em fevereiro do próximo ano para fornecedores da indústria farmacêutica. A garantia foi dada esta quinta-feira pelo presidente da BME, Christoph Feldmann.

O presidente da BME confirmou a escolha de Portugal durante um encontro em Berlim com o ministro da Saúde, Paulo Macedo. O foco da participação portuguesa na feira que a BME realizará de 22 a 25 de fevereiro será o sector da saúde e produtos farmacêuticos.

Criada em 1954, a BME é uma associação que coordena os processos de compras e encontra fornecedores para os seus mais de 9 mil membros. O seu congresso anual junta em média mais de 2 mil compradores. O encontro dedicado à indústria farmacêutica deverá atrair mais de 400 participantes.

O ministro da Saúde, Paulo Macedo, classificou como "muito significativo" o acordo conseguido para que Portugal seja o país em destaque na próxima feira da BME, pelo potencial de novos negócios que traz para as empresas portuguesas.

Já Christoph Feldman nota que a escolha de Portugal vem permitir ampliar o trabalho que tem sido feito na cooperação económica entre os dois países. O presidente da BME garante que a percepção que os empresários alemães têm das empresas lusas é positiva. "As empresas portuguesas são extremamente eficientes e confiáveis", afirmou num encontro na Embaixada de Portugal em Berlim.

Segundo o mesmo responsável, as participações portuguesas em anteriores edições dos congressos da BME já renderam negócios superiores a 100 milhões de euros.

Marta Conseur, colaboradora em Berlim da Aicep - Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, realça que a presença nos eventos da BME é essencial porque "as empresas sabem que encontrarão lá o parceiro certo", dado que antes de cada feira há um trabalho prévio de combinação de empresas interessadas.