Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Três décadas depois de aderirem à CEE, os portugueses gastam o dobro do dinheiro

  • 333

Estudo "Portugal Europeu", do economista Augusto Mateus, conclui ainda que o PIB português cresceu 76% desde 1986

Os portugueses gastam atualmente o dobro do dinheiro que gastavam quando Portugal aderiu à CEE, em 1986, conclui um estudo coordenado pelo economista Augusto Mateus que analisa a evolução do "Portugal Europeu" nas últimas três décadas.  

"Sem o resvalar da crise de 2003, o consumo 'per capita' escalou ininterruptamente do mínimo de 1986 ao máximo de 2008", nota o relatório, encomendado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos, que é apresentado esta quarta-feira.  

O Portugal Europeu passou de uma conjuntura "marcada por pressões inflacionistas", com os preços a subirem 13% em 1986, para uma situação marcada pelas pressões deflacionistas, com os preços a subirem em média 0,5% entre 2008 e 2013. 

Ainda assim "o nível geral de preços em Portugal é 14% inferior ao padrão médio europeu", destaca o estudo, apontando o elevado nível geral de preços que se verifica nos países nórdicos, com a Dinamarca (40% acima da média europeia). 

Comunicações são a única classe de serviços com o preço acima do padrão europeu 
A educação foi o setor onde mais se sentiu a subida de preços entre 1986 e 2013, mas é igualmente a atividade em que o nível de preços está mais distante do padrão europeu, distância que se vem acentuando desde 1999.  

Pelo contrário, as comunicações, que registaram a menor subida de preços, são a única classe de serviços em que o preço está acima do padrão europeu.  

O estudo salienta ainda que os preços dos restaurantes e hotéis, que se encontravam, em 2013, 25% abaixo do padrão europeu.  

Em 2013, o consumo de bens alimentares manteve-se próximo do pico de 2010, mas o consumo de bens correntes e serviços recuou dez anos, enquanto o consumo de bens duradouros não chegava a dois terços do volume de 2007/2008. 

"Os ajustamentos em baixa no emprego, nas componentes do ganho para além do salário base, e nas pensões de reforma e, em alta nos impostos, geraram uma nova relação de incerteza com o rendimento que mudou o consumidor português em anos recentes", lê-se no documento. 

O PIB português cresceu 76% desde 1986 
Os portugueses, acrescenta o estudo "Três décadas de Portugal Europeu, estão agora mais predispostos a "fazer em casa", alugar, partilhar, reutilizar ou trocar, mais atentos às promoções e valorizam mais os produtos nacionais, ou seja, estão mais atentos "à eficácia das compras do que ao nível da despesa". 

Estimulado pelo consumo privado, que absorveu sete em cada dez euros de riqueza criada, o PIB português cresceu 76% desde 1986. 

Com um modelo de crescimento assente no consumo privado e bastante dependente do financiamento bancário e das importações de bens e serviços, Portugal, que foi entre 1986 e 1994 o país da União Europeia que mais cresceu pela procura interna, tornou-se o quarto país com um contributo mais negativo no que diz respeito a este indicador entre 2007 e 2013. 

Primeiro saldo externo positivo de Portugal deu-se em 2013 
Depois de ter registado sucessivos défices externos, que atingiram um máximo histórico em 2008, com um valor superior a 11% do PIB, "a relação económica de Portugal com o resto do mundo sofreu uma profunda alteração nos últimos anos".  

O estudo realça, no entanto, que o défice externo sofreu um processo de correção sob o impacto da crise económica e financeira e do programa de resgate obtendo o primeiro saldo externo positivo em 2013 (1,3%). 

Ainda assim, Portugal "permanece numa posição bastante vulnerável, sobretudo pela acumulação de um nível de dívida externa dificilmente sustentável, para além do montante de juros que é anualmente subtraído à riqueza nacional, expondo a estabilidade financeira à volatilidade dos fluxos internacionais de capital". 

Em 2013, Portugal continuava entre os Estados-membros mais endividados.