Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Portas reforça novamente: situação portuguesa é diferente da grega

  • 333

José Coelho / Lusa

"Pela primeira vez [Portugal] ficará livre de sanções ou ameaças", acrescenta o vice-primeiro ministro este sábado. "Vai ter acesso a flexibilidade, temos o investimento a disparar, as exportações a crescer, a economia a melhorar e a criação de emprego finalmente a dar resultados positivos"

O vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, disse hoje que a situação de Portugal não tem semelhanças com a grega e escusou-se a comentar o referendo que acontece este domingo em dia de reflexão na Grécia.

Em visita a uma feira de produtos portugueses em Bruxelas, capital da Bélgica, o também líder do CDS-PP não quis referir-se à consulta popular na Grécia, em que os eleitores vão votar sobre se aceitam as condições impostas pelos credores para ser dada ajuda financeira ao país, afirmando que não faz comentários sobre "um referendo que se passa noutro país e está em dia de reflexão", mas fez questão de sublinhar que considera que a situação de Portugal e da Grécia são distintas.

"Portugal já terminou o programa com a 'troika', Portugal não teve programa cautelar, não pediu mais dinheiro, não pediu mais tempo. O país vai ter um défice inferior a 3%, pela primeira vez ficará livre de sanções ou ameaças, vai ter acesso a flexibilidade, temos o investimento a disparar, as exportações a crescer, a economia a melhorar e a criação de emprego finalmente a dar resultados positivos. Nada disto repito, com todo o respeito, tem a ver com a situação na Grécia", afirmou Paulo Portas em declarações aos jornalistas.