Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

PT Portugal volta a falhar pagamentos e há fornecedores a temer falência

  • 333

Fornecedores da PT Portugal estão em stresse e há alguns que, perante o adiamento do pagamento de serviços, estão a entrar em sérias dificuldades de tesouraria. E estão a fazer queixas a uma associação do sector

João Ramos

João Ramos

Jornalista

A Associação Nacional de Empresas de Tecnologias de Informação e Eletrónica (ANETIE) diz que o a PT Portugal está a fazer "vai além do aceitável". A Associação, disse o seu presidente Vítor Rodrigues,  está a fazer um levantamento de todos os fornecedores da PT nas áreas de tecnologia para poder tomar uma posição fundamentada junto das autoridades e eventualmente recorrer aos tribunais.  

A PT Portugal, diz Vítor Rodrigues, não está a tratar todos os fornecedores da mesma maneira. Os mais pequenos e mais expostos à PT estão a ser mais pressionados, enquanto face aos grandes fornecedores que ameaçam sair, a operadora tem estado a recuar. A Novabase, como já noticiou o Expresso, foi uma das que ameaçou sair, a outra foi a Accenture. 

PT falha pagamento a 29 de junho


A PT Portugal voltou a falhar o pagamento a alguns fornecedores a 29 de junho, o dia do mês em que habitualmente paga. Há fornecedores que não recebem há três e quatro meses - a pressão sobre os mais pequenos está a revelar-se em alguns casos difícil de gerir. A Altice, recorde-se, tomou conta da gestão da PT Portugal há um mês, e alguns atrasos no pagamento arrastam-se desde o tempo em que a brasileira Oi ainda era a dona da empresa. 

Em meados de junho, cerca de 15 dias depois de a Altice ter tomado conta da gestão da PT Portugal, a operadora começou a enviar uma carta a todos os fornecedores de serviços onde propunha unilaterialmente uma redução entre 15% e 30% nos preços. É um método que habitualmente a Altice usa - já o tinha feito quando comprou a Cabovisão e a Oni - e os fornecedores já estavam, de certa forma, à espera.

A PT Portugal, a maior empresa do sector das telecomunicações, é uma fonte de receitas muito relevante para a maior parte dos fornecedores de tecnologias de informação em Portugal.