Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

FMI puxa as orelhas a gregos e credores europeus

  • 333

Christine Lagarde diz que a Grécia terá de pagar ao FMI na data acordada

ERIC VIDAL / REUTERS

Em comunicado, a organização chefiada por Christine Lagarde endossou publicamente a posição manifestada pelo seu economista-chefe Olivier Blanchard a 14 de junho. Credores oficiais europeus têm de garantir financiamento a Atenas e alívio da dívida

Atenas tem de reformar a sua economia, mas isso leva tempo, e os credores oficiais europeus (Comissão Europeia através dos fundos europeus de resgate, países que celebraram empréstimos bilaterais à Grécia e Banco Central Europeu) têm de providenciar “financiamento adicional e alívio de dívida”. Eis a posição do Fundo Monetário Internacional (FMI) preto no branco no dia em que o Eurogrupo e a chanceler Angela Merkel decidiram que só haverá retoma de negociações entre Atenas e os credores oficiais após o referendo grego de 5 de julho.

O FMI endossou esta quarta-feira a posição a título pessoal expressa pelo seu economista-chefe Olivier Blanchard num artigo colocado a 14 de junho no blogue do Fundo, que o Expresso referiu na altura.

O FMI considera, agora, oficialmente, que a melhor metodologia para lidar com a atual crise grega é “uma abordagem equilibrada expressa num blogue recente pelo economista-chefe, com a Grécia dando os passos para reformar a sua economia e os parceiros dos países europeus providenciando financiamento adicional e alívio de dívida”. O comunicado sublinha, ainda, que sabe por “experiência” que a mudança de uma economia “é difícil e leva tempo”.

O Fundo aproveitou para recordar que o efeito imediato do não pagamento da amortização a 30 de junho é a suspensão da possibilidade da Grécia recorrer a qualquer financiamento por parte do FMI, quer relativo ao resgate que, da parte do Fundo só termina em março de 2016, quer a novos financiamentos, até que o país saia da situação de incumprimento da amortização.

O FMI emprestou à Grécia 28,2 mil milhões de euros e o saldo dos empréstimos no final de abril era de 21,2 mil milhões. Com a suspensão agora efetivada,  o FMI não desembolsará a tranche em atraso desde o verão de 2014 num montante de 3,5 mil milhões de euros –um desembolso que faz parte do chamado pacote de 7,2 mil milhões de euros que tem estado em suspenso face às negociações desde fevereiro - e ficam suspensos os restantes pagamentos inicialmente previstos até março de 2016 num total adicional de 12,5 mil milhões de euros.

O Banco Central Europeu decidiu esta quarta-feira não agravar as condições de financiamento aos bancos gregos, nomeadamente não impondo um haircut no valor dos colaterais apresentados pelos bancos junto do Banco central da Grécia para se financiarem. Mas, também, não aumentou o teto da linha de emergência de liquidez, conhecida pelo acrónimo em inglês ELA. O limite da linha continua perto de 90 mil milhões de euros. No total, entre financiamento normal e de emergência, o BCE já colocou na banca helénica 116 mil milhões de euros, segundo o número adiantado esta semana pelo membro do conselho diretor Benoît Coueré em entrevista ao jornal francês “Les Echos”. Recorde-se que os bancos gregos estão sujeitos a um regime de 'corralito' até 7 de julho, com restrições diversas a movimentos de capitais.

  • Grécia perde acesso a €30,6 mil milhões

    Com o final do segundo programa de resgate e o não pagamento ao FMI, Atenas perdeu esta terça-feira o desembolso de €14,6 mil milhões de fundos europeus e de lucros do sistema euro e vê suspenso o acesso a mais €16 mil milhões do FMI. Fundos Europeus podem exigir pagamento antecipado de €170 mil milhões