Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Bolsa portuguesa é a mais contagiada pelo fecho do sistema financeiro grego

  • 333

DIVYAKANT SOLANKI / EPA

Segunda-feira negra nas bolsas. Quebras superaram os 5% - em Lisboa, igual só há dois anos, quando Portas se demitiu do Governo. Incerteza tomou conta dos investidores

Segunda-feira, 29 de junho, vai ficar para a história, já se disse, e não é pelas melhores razões: o sistema financeiro grego ficará encerrado durante uma semana, algo que nunca aconteceu na Zona Euro. Logo, as bolsas mundiais abriram e fecharam em terreno negativo, com quebras entre os 3,56% da Bolsa de Frankfurt e os 5,22% da Bolsa de Lisboa, pressionadas pela interrupção das negociações entre a Grécia e a troika durante o fim de semana. Lisboa registou a maior perda desde 3 julho de 2013, data da demissão de Paulo Portas do Governo.

É um tiro em cheio no coração da Europa e do euro: a banca e a Bolsa de Atenas só irão reabrir a 7 de julho, depois do referendo às medidas propostas pelos credores da Grécia. "Quatro anos e meio depois de ter rebentado a crise, a Europa mostra que ainda não conseguiu afirmar a moeda única e que o euro ainda não está consolidado", sublinha um analista de um grande banco português que prefere não ser citado. 

Lisboa lidera perdas, Londres no polo oposto
O PSI-20, índice de referência da Bolsa de Lisboa, foi quem mais perdeu - caiu 5,22%, o que não surpreende, tendo em conta que Portugal será um dos países mais afetados pelo destino da Grécia. No topo das perdas esteve também o mercado italiano, com uma desvalorização de 5,17%. A bolsa da vizinha Espanha recuou 4,56% - é uma das maiores descidas da Europa. França fechou com uma quebra de 3,74% e a Alemanha de 3,56%. Fora da Zona Euro, a Bolsa de Londres foi a menos afectada: -1,88%.

Na Bolsa de Lisboa foi a banca quem mais perdeu. A liderar  as descidas esteve o BCP - desvalorizou 11,11%. Seguiu-se a Pharol (-10%), a Mota Engil( -9,15%), o Banif (-8,82%) e o BPI (-8,45%). A Impresa foi a empresa menos penalizada (-1,2%).

Investidores fogem do risco
Esta terça-feira vai ser mais um dia crítico: a Grécia não vai pagar a tranche de 1,6 mil milhões que devia liquidar ao FMI. Por isso, esta terça os mercados irão abrir de novo no "vermelho". "Vai manter-se a tendência negativa. Os investidores querem estar fora dos ativos de riscos e as ações e os países periféricos estão nessa categoria", sublinha um analista. 

É das empresas e dos mercados mais pequenos, logo com menos liquidez, que os investidores se afastam.