Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Novo dono da TAP vende 5% da sua empresa a americanos

  • 333

Neeleman Empresário americano dono da brasileira Azul. E agora também da TAP, com Humberto Pedrosa

FOTO JOSÉ CARLOS CARVALHO

Negócio rende 90 milhões de euros a David Neeleman, que é um dos novos donos da TAP a par de Humberto Pedrosa

A companhia aérea brasileira Azul, de que um dos novos donos da TAP é fundador e acionista, acaba de vender 5% do seu capital à United Airlines, por 100 milhões de dólares (90 milhões de euros).

Na mesma semana em que David Neeleman comprou uma empresa - 61% da TAP - vende parte de outra. A operação de venda de 5% da Azul não tem interferência direta na operação da TAP, já que foi a holding pessoal de David Neeleman que comprou as ações da empresa. A Azul não participa no negócio, apesar de haver sinergias e complementaridade operacionais previstas entre as ambas.

A entrada da United na Azul vem assim reforçar a presença de Neeleman nos Estados Unidos, onde também fundou a companhia JetBlue. Os Estados Unidos são uma das apostas que o consórcio Gateway, que constituiu com o Humberto Pedrosa (dono do grupo Barraqueiro), tem previstas para a TAP - 10 novas rotas para aquele mercado. 

A parceria entre a Azul e a United inclui um acordo de codeshare, no qual as empresas partilharão rotas entre o Brasil e os Estados Unidos, mas também noutros destinos no mundo.

A operação acontece depois de a Azul ter cancelado a oferta pública inicial (IPO) no início deste mês, pela terceira vez desde 2013.

David Neeleman tentou que a Azul entrasse em bolsa pela primeira vez há dois anos, acabando por cancelar a operação alegando condições macroeconómicas desfavoráveis.

A companhia pretendia levantar cerca de 400 milhões de dólares (376 milhões de euros) com a emissão de ações preferenciais, as quais não tem direito de voto, mas concedem direito a dividendo.

O acordo que agora fechou com a United Airlines, e que coloca a valorização da Azul próxima dos 2 mil milhões de dólares (1,8 mil milhões de euros), precisará passar ainda pela aprovação das entidades brasileiras ANAC - Agência Nacional de Aviação Civil e CADE - Conselho Administrativo de Defesa Económica.