Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Tsipras já apresentou nova proposta aos líderes europeus

  • 333

FOTO PAUL HANNA / REUTERS

Primeiro-ministro grego apresentou a nova proposta do seu governo a Angela Merkel, François Hollande e Jean-Claude Juncker. Executivo helénico fala numa "solução definitiva" e "benéfica" para todos

Na contagem decrescente para a reunião extraordinária do Eurogrupo, o primeiro-ministro grego apresentou este domingo uma nova proposta para os credores durante uma conversa telefónica com a chanceler alemã, Angela Merkel, o Presidente francês, François Hollande, e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

"O primeiro-ministro apresentou aos três líderes uma proposta grega com vista a um acordo benéfico que traga uma solução definitiva e não um adiamento do problema", anunciou o gabinete do chefe do Executivo helénico em comunicado, citado pela Reuters.

Alexis Tsipras reuniu-se no sábado com outros membros do governo para discutirem as alternativas e os pontos em que poderiam ceder relativamente às propostas apresentadas pelas instituições. Esta manhã, o chefe do Executivo voltou encontrar-se com a sua equipa para fecharem a proposta.

"Vamos tentar completar a nossa proposta para que possamos chegar mais perto de uma solução. Nós não vamos para a reunião com a antiga proposta. Estamos a trabalhar para ver onde podemos convergir, para que possamos alcançar uma solução mutuamente benéfica", afirmava esta manhã o ministro do Estado grego, Alekos Flabouraris, em declarações à Mega TV. 

O ministro grego das Finanças garantiu por sua vez que a Grécia está comprometida em alcançar um acordo. Num artigo publicado no sábado no "Irish Times", Yanis Varoufakis acusou contudo os ministros europeus de "ignorarem" as propostas gregas e de insistirem que o país não apresenta soluções.  

Depois de meses de negociações infrutíferas, o presidente do Conselho Europeu deixou na sexta-feira um claro ultimato ao governo helénico: ou aceitam um acordo ou entram em default: "Estamos próximo do ponto em que o governo helénico tem que escolher entre aceitar o que acredito ser uma boa oferta  de continuar com apoio ou entrar em incumprimento. E no final, é por isso que só pode ser uma decisão grega e exige responsabilidade dos gregos. Ainda há tempo, mas são poucos dias. Vamos usá-los adequadamente com sensatez", disse Donald Tusk.

Recorde-se que a Grécia está dependente do desembolso da última tranche do empréstimo de 7,2 mil milhões de euros para cumprir com os seus compromissos financeiros, numa altura em que o tempo se esgota.  Faltam apenas nove dias para terminar o programa de resgate e para o país ter que pagar as últimas prestações ao FMI.