Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Bolsa suspende negociação de ações do BPI

  • 333

FOTO NUNO FOX

Comissão de Mercado de Valores Mobiliários diz estar a aguardar "informação relevante"

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) acaba de anunciar a suspensão da negociação das ações do banco BPI, "até à divulgação de informação relevante sobre o emitente".

A decisão surge depois desta quarta-feira, em Assembleia Geral, os acionistas do banco terem chumbado a proposta de desblindagem dos estatutos, uma das condições impostas para o sucesso da oferta pública de aquisição (OPA), lançada pelo CaixaBank sobre o BPI.

"O Conselho Directivo da Comissão da CMVM deliberou, nos termos do artigo 214º e da alínea b) do n.º 2 do artigo 213º do Código dos Valores Mobiliários, a suspensão da negociação das acções do BancoBPI, SGPS, até à divulgação de informação relevante sobre o emitente", diz o regulador, numa nota publicada esta quinta-feira. Segundo a CMVM, será publicado um comunicado com informações sobre a OPA.

Por enquanto, a Euronext não tem previsão da hora em que deverá ser retomada a negociação das ações do banco em Bolsa. Esta quarta-feira, as ações do BPI fecharam a cair 6%, mas hoje de manhã subiam 1,86% antes de serem suspensas.

Depois do chumbo desta quarta-feira, o catalão CaixaBank remeteu-se ao silêncio. Esta quinta-feira há reunião do conselho de administração do banco e a OPA do BPI é um dos assuntos que será discutido. É, por isso, expectável que haja novidades sobre o tema, até porque o presidente do conselho de administração do BPI (chairman), Artur  Santos Silva, depois da Assembleia Geral afirmou que o CaixaBank iria comunicar "o mais depressa possível" a sua "posição" sobre o futuro da OPA.

Na Assembleia Geral desta quarta-feira, que decorreu no Porto, estiveram presentes 223 acionistas que juntos representam 81,73% do capital do banco. A Santoro, que pertence a Isabel do Santos e detém 19% do capital, liderou a minoria de bloqueio de 42% que chumbou a desblindagem dos estatutos, uma das condições essenciais para o sucesso da OPA. Os direitos de voto vão manter-se restringidos a 20% do capital presente em Assembleia Geral: ou seja, o BaixaBank, mesmo com 44,1% do capital, só poderá votar com 20%.

O banco espanhol terá agora de tomar uma posição sobre a OPA a 100% do BPI. Para já, o desfecho desta operação ainda é imprevisível. Mas nas condições atuais é certo que a OPA sobre o BPI já morreu. E ainda não é claro que a desblindagem de estatutos possa ser novamente votada.