Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Atividade económica desacelerou em abril

  • 333

A confiança dos consumidores atinge máximo de sete anos

Jorge Simão

Apesar do investimento ter abrandado, o consumo privado acelerou, diz INE. Desemprego cai de 13,2% para 13%. Confiança dos consumidores subiu em maio

A taxa de crescimento da atividade económica cresceu 2,1%, em abril, o que significa uma diminuição de duas décimas relativamente ao observado no mês de março, indica a Síntese Económica de Conjuntura, publicada esta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

A quebra podia ter sido pior, não fosse o efeito positivo do consumo privado, que "registou um crescimento homólogo mais expressivo em abril, refletindo a aceleração da componente de consumo duradouro", frisa o relatório do INE. O consumo das famílias aumentou 3,7% e, nos bens duradouros, o crescimento foi de 18,8%.

Talvez por isso os indicadores de confiança e de sentimento económico subiram em maio para o máximo de sete anos, numa escalada que se iniciou em janeiro de 2013. No conjunto da zona euro, a confiança dos consumidores e de sentimento económico recuperaram "ligeiramente" em maio.

Segundo esta síntese, em abril os Indicadores de Curto Prazo (ICP) apontam para um aumento da atividade económica na indústria e em sectores de serviços e para uma redução na construção e obras públicas, em abril.

Por seu turno, o indicador de Formação Bruta de Capital Fixa (FBCF) diminuiu em abril, devido à redução do contributo positivo das componentes de material de transporte e de máquinas e equipamentos.

Em termos nominais, o INE dá conta de uma variação homóloga em abril de 8,2% das exportações de bens e de 7,4% das importações (3,8% e -1,4% em março).

O Instituto Nacional de Estatística refere que "estes resultados poderão estar parcialmente influenciados pelo efeito de dias úteis", já que no trimestre, terminado em abril, se registaram mais dois dias úteis que no trimestre homólogo.

De acordo com as estimativas mensais do Inquérito ao Emprego, a taxa de desemprego (15 a 74 anos), ajustada de sazonalidade, passou de 13,2% em março para 13,0% em abril, enquanto a estimativa da população empregada (15 a 74 anos), ajustada de sazonalidade, aumentou 0,5% face ao mês anterior e 1,5% em termos homólogos.

Já o Índice de Preços no Consumidor (IPC) apresentou uma variação homóloga mensal de 1,0% em maio (0,4% em abril), com taxas de variação de 0,6% na componente de bens (variação nula no mês anterior) e de 1,4% na de serviços (1,0% em abril).