Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Presidente faz visita à Bulgária e Roménia com agenda económica

  • 333

A ideia é abrir portas na Bulgária e consolidar na Roménia. Visitas estavam pendentes há três anos

Luísa Meireles

Luísa Meireles

Redatora Principal

Cavaco Silva nunca veio à Bulgária e, na Roménia, esteve lá duas vezes, mas nunca em cargos oficiais. Este domingo, aterrou no aeroporto de Sofia ao princípio da noite, no início daquela que será provavelmente uma das suas últimas visitas oficiais, a que junta a Roménia, dentro de dois dias.

As visitas a estes dois países balcânicos cumprem uma agenda adiada. Estavam pendentes desde há três anos, mas as vicissitudes políticas acabaram por a adiá-las. Afinal, acabará por aterrar em Bucareste na terça-feira à noite, no meio de uma crise política, com um primeiro-ministro indiciado por corrupção e branqueamento de capitais num período anterior ao cargo.

Na sexta-feira, a maioria dos membros do partido da coligação de centro-esquerda que suporta o Governo salvou Victor Ponta, o PM, de uma moção de desconfiança.

As visitas de Cavaco, a par dos contactos políticos, são sobretudo económicas, com o objetivo de abrir portas na Bulgária, onde o comércio bilateral é incipiente (e deficitário do lado português), e consolidar na Roménia, onde nos últimos anos entraram em força mais de 80 empresas portuguesas, com alguns grandes investimentos.

Um pouco mais de uma vintena de representantes de empresas portuguesas acompanham o Presidente da República nesta viagem. São de várias áreas, desde a construção aos vinhos e azeites, consultoria e tecnologias da informação, moldes, equipamentos, têxteis e vestuário.

Com a Roménia, aliás, o comércio de bens e serviços é positivo para Portugal. Em 2014, foram exportados €240 milhões, contra uma importação de €131 milhões. Cerca de 65% das exportações são de bens de média e alta intensidade tecnológica.

É também na Roménia que está prevista a deslocação do Presidente ao maior investimento português (€180 milhões), um grande centro comercial em construção pela Sonae Sierra, e que será gerido também por esta empresa portuguesa. No total, haverá lugar para 200 lojas.