Siga-nos

Perfil

Economia

Economia

Venda da TAP pode alcançar 488 milhões de euros

FOTO JOÃO RELVAS

Governo diz que aquisição da companhia por parte da Gateway permitirá um encaixe que pode oscilar entre os €354 milhões e os €488 milhões, dependendo do desempenho operacional da TAP este ano. Para o Executivo, a proposta do consórcio do brasileiro David Neelman e do português Humberto Pedrosa foi a que teve "mais mérito". 

A secretária de Estado do Tesouro revelou esta quinta-feira que a compra da TAP por parte do consórcio Gateway, do brasileiro David Neelman e do português Humberto Pedrosa, poderá representar um encaixe de 488 milhões de euros no caso de um desempenho operacional positivo da companhia este ano. O valor mínimo será 354 milhões de euros.

"O valor máximo depende da forma como os resultados operacionais vão consolidar-se em 2015. O valor é medido pela capitalização, pelo preço pago por ações e pela opção de compra e venda, não sendo possível antecipar nesta fase o valor recebido daqui a dois anos", declarou Isabel Castelo Branco, em conferência de imprensa após o Conselho de Ministros, frisando que a dívida da TAP mantém-se no seu balanço.

O montante de encaixe imediato para o Estado é de 10 milhões de euros, pondendo subir até aos 140 milhões, dependendo da "possibilidade de se vir a efetuar uma operação de colocação em mercado de capitais", acrescentou.

"O valor de encaixe para o Estado é reduzido, mas importante", defendeu por seu lado o secretário de Estado dos Transportes, explicando que a proposta do grupo Gateway foi a que teve "mais mérito" atendendo às condições financeiras e ao plano estratégico da empresa. "Houve uma melhoria na proposta no ponto de vista financeiro e estratégico, tendo-se excluído também a cláusula de rescisão unilateral por parte do comprador", referiu Sérgio Monteiro.

Mais dinheiro em menos tempo
Confirmou ainda que o consórcio vencedor irá comprar 53 aviões para a TAP, respondendo à necessidade de renovação da frota da companhia: "Foi uma opinião partilhada pelo Governo e pela empresa, ter dinheiro mais cedo e em maior quantidade é fundamental para assegurar a sobrevivência da TAP." 

Sem adiantar datas, Sérgio Monteiro refere que é desejo do Governo que o fecho definitivo da transação obtenha luz verde em breve,  frisando que o processo está também dependente da aprovação dos reguladores. "Estamos focados para que a transação possa ser cumprida o mais rapidamente possível não por capricho, mas por necessidade urgente."

Reiterando que não havia alternativa à privatização da TAP, o secretário de Estado declarou que a reestruturação levaria à redução da importância da companhia."Todos sabemos as consequências de um processo de reestruturação, isso implicaria uma  redução do número de rotas, redução significativa do número dos trabalhadores e dos salários dos que ficavam.  Isso resultaria numa TAP muito mais pequenina e com um impacto na economia muito menor. O Estado não quer uma TAP que representasse menos do que o que representa hoje”, considerou.

Recado para António Costa
Sérgio Monteiro avançou que o contrato prevê em caso de incumprimento "multas diárias, o cancelamento da opção de compra e o direito do Estado fazer a reversão do negócio”, deixando ainda um apelo a António Costa, caso seja eleito líder do próximo Executivo. 

"Um dos fatores mais importantes que Portugal tem apresentado é a estabilidade das suas decisões no tempo. Não tem sido norma que as decisões dos governos anteriores plasmadas em contratos venham a ser desafiadas no futuro, penso que o dr. António Costa garantiu até que não mudaria qualquer item do plano de transportes e estruturas", realçou. 

Garantindo que a estabilidade laboral será preservada pelo dono de 61% da TAP, Sérgio Monteiro disse esperar que todos os trabalhadores e agentes económicos ajudem a "tornar 2015, que começou com alguma turbulência, como um ano de performance positiva".